Suzano SUZB3 Eleva Preços na Ásia, Europa e América do Norte
| ,

Suzano (SUZB3) Eleva Preços na Ásia, Europa e América do Norte

A Suzano (SUZB3) anunciou novo reajuste dos preços da celulose para a China, América do Norte e Europa.

Por
Atualizado em 20/01/2021

O banco Credit Suisse informou, em relatório, que a fabricante de papel e celulose Suzano (SUZB3) está elevando os preços da celulose para seus clientes na China, América do Norte e Europa.

Na China, a alta é de US$ 50 por tonelada e o novo preço, de US$ 580, passa a ser válido a partir de 1° de fevereiro.

Banner will be placed here

A empresa já havia elevado em US$ 30 o preço da tonelada no início de janeiro, para US$ 530.

Também no início de janeiro, a Suzano havia elevado os preços da celulose para o Sudoeste Asiático e Oriente Médio para US$ 600 a tonelada.

Na América do Norte e Europa, a Suzano informou seus clientes que a alta será de US$ 70 por tonelada.

Com a nova alta, o preço da celulose passa a ser de US$ 820 por tonelada na Europa e US$ 1.040 para a América do Norte.

Em dezembro, a Suzano já havia anunciado alta nos preços para US$ 750 para Europa e US$ 970 para América do Norte para os embarques de janeiro.

A nova alta vale para embarques em fevereiro.

Como ser Sócio dos Melhores Negócios? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Empresas para Investir”.

Resultado da Suzano no Terceiro Trimestre de 2020

O resultado da Suzano (SUZB3) no terceiro trimestre de 2020 (3t20), divulgado no dia 30 de outubro apresentou um prejuízo líquido de R$ 1,15 bilhão no 3t20, versus um prejuízo de R$ 3,5 bilhões em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebitda da Suzano atingiu R$ 3,8 bilhões no 3t20, apresentando crescimento de 52,7% na comparação com o 3t19.

A margem Ebitda da Suzano totalizou 51,0% no 3t20, apresentando crescimento de 13,2 pontos percentuais na comparação com o 3t19. 

A Margem líquida da Suzano atingiu -15,5% no 3t20, apresentando crescimento de 36,9 pontos percentuais na comparação com o 3t19.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Valor Econômico

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE