O que é Sucessão Patrimonial?

Sucessão é a passagem ordenada de poder, ativos ou outra propriedade de uma entidade para outra. Os documentos de regras legais regem a sucessão no que diz respeito aos bens das propriedades após a morte de uma pessoa.

As estruturas corporativas e governamentais também costumam criar regras de sucessão para garantir a transferência ordenada de poder sob uma variedade de circunstâncias.

A sucessão ocorre quando as circunstâncias exigem que uma entidade passe poder, ativos ou propriedade para alguma outra parte. Os gatilhos típicos para a sucessão incluem aposentadoria, morte, obsolescência ou incapacitação.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Em circunstâncias ideais, todas as partes envolvidas na sucessão prepararam e documentaram um plano para que o processo ocorresse sem problemas, permitindo que qualquer sucessor cumprisse quaisquer novas funções de forma totalmente compatível com todas as outras entidades em vigor.

Como funciona a Sucessão Patrimonial?

No planejamento imobiliário, testamentos e fundos fornecem controle sobre a sucessão dos ativos de uma pessoa após sua morte.

Por exemplo, um truste pessoal revogável oferece uma oportunidade de mover ativos para uma entidade fora do espólio, ao mesmo tempo que fornece instruções específicas sobre quem detém os ativos, bem como, e quando esses ativos serão distribuídos no futuro.

Quando combinado com um testamento direto, que move todos os ativos remanescentes de uma propriedade para um trust, a maioria das pessoas pode exercer controle total sobre a sucessão legal de seus ativos.

Para as propriedades onde o falecido não tem testamento, as normas legislativas regem quem recebe os bens de uma herança por meio de um processo denominado sucessão sem testamento.

Pessoas ou organizações não relacionadas raramente recebem propriedade por meio dessas regras, mesmo que o falecido tenha feito pedidos informais para que se beneficiem dela.

Sob as leis de sucessão intestada, alguns estados confiscam os bens de indivíduos que morreram sem parentes sobreviventes.

Quando não há vontade de nomear um executor, a lei estadual fornece uma lista de pessoas que são elegíveis para preencher a função.

Se for necessário um processo de inventário, o tribunal escolherá alguém com base nessa lista de prioridades.

O planejamento sucessório consiste em organizar a sucessão do seu patrimônio.

Dessa maneira, é preciso fazer um levantamento de bens e pesquisar as melhores opções para a transferência. A partir daí, é possível identificar quem será o beneficiário de cada item.

Quem receberá a Sucessão Patrimonial?

Cada estado tem leis que direcionam o que acontece com a propriedade quando alguém morre sem um testamento válido e a propriedade não foi deixada de outra forma (como em um trust vivo).

Geralmente, apenas cônjuges, parceiros domésticos registrados e parentes consanguíneos herdam de acordo com as leis de sucessão sem testamento; parceiros solteiros, amigos e instituições de caridade não recebem nada.

Se a pessoa falecida era casada, o cônjuge sobrevivente geralmente fica com a maior parte. Se não houver filhos, o cônjuge sobrevivo geralmente recebe todos os bens.

Parentes mais distantes herdam apenas se não houver cônjuge sobrevivente e se não houver filhos. No caso raro de nenhum parente ser encontrado, o estado fica com os bens.

Todos os estados têm regras que proíbem certas pessoas de herdar se elas se comportaram mal com a pessoa falecida.

Por exemplo, alguém que causou criminalmente a morte de uma pessoa falecida quase nunca tem permissão para lucrar com a morte, e, em muitos estados, um pai que abandonou ou se recusou a sustentar uma criança, ou cometeu certos crimes contra uma criança, não pode herdar os bens dessa criança.