O que é o Sistema S?

Sistema S é o termo que define o conjunto de organizações que oferecem serviços de assistência e treinamento profissional aos diversos setores da economia brasileira.

É chamado de Sistema S pois estas organizações possuem seus nomes iniciados com a letra S.

Ao todo, nove instituições fazem parte do Sistema S:

  1. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); 
  2. Serviço Social do Comércio (Sesc); 
  3. Serviço Social da Indústria (Sesi); 
  4. Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac);
  5. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar); 
  6. Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop); 
  7. Serviço Social de Transporte (Sest);
  8. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).
  9. Serviço Social de Aprendizagem do Transporte (Senat);

Vejamos como funciona o Sistema S.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o Sistema S?

As nove instituições do Sistema S são administradas de forma independente por federações e confederações empresariais dos principais setores da economia. 

O objetivo deste formato institucional é para não haver incompatibilidade entre o enquadramento sindical de uma empresa e a entidade para a qual ela contribui.

As confederações são organizações compostas por federações, que, por sua vez, são formadas por sindicatos. 

Cada entidade do Sistema S, portanto, assim como cada confederação, atende a uma área específica da economia.

O único membro do sistema que não está ligado a uma confederação é o Sebrae, que é vinculado a micro e pequenas empresas.

Apesar de prestarem serviços de interesse público, essas entidades não são ligadas a nenhuma das esferas de governo.

As organizações do Sistema S oferecem um conjunto variado de serviços à população, como escolas, cursos técnicos, pesquisas, atividades culturais e esportivas. 

Serviços oferecidos pelo Sistema S

As entidades do Sistema S oferecem uma ampla e diversificada gama de serviços à população brasileira.

Estes serviços são muito importantes para apoiar a atividade econômica dos mais diversos setores.

Por exemplo, o Senai é uma opção fundamental na oferta de cursos profissionalizantes, além de atuar também nas áreas de metrologia e pesquisa, ajudando nas certificações e aprimoramentos da indústria. 

Já o Senac oferece uma gama de atendimentos prestados por seus alunos e profissionais que vão desde saúde e beleza à hospedagem. 

Por sua vez, o Sesi e o Sesc oferecem escolas, teatros, serviços de saúde, clubes esportivos, prêmios de incentivo à cultura e uma extensa programação de eventos artísticos e culturais em todos os estados do país.

Por fim, o Sebrae, Sest, Senat, Senar e Sescoop também oferecem cursos de atualização e especialização, capacitação, consultorias, parcerias para micro e pequenas empresas, entre outros tipos de eventos.

Como o Sistema S é financiado?

Para se manterem, estas organizações são financiadas a partir de recursos das empresas de cada setor.

As contribuições ao sistema incidem sobre a folha de pagamento das empresas pertencentes à categoria correspondente e são repassadas pelo governo às entidades.

 As alíquotas são variáveis.

De acordo com regulamentação disponível no site do Senado, essas são as alíquotas pagas a cada instituição do Sistema S:

InstituiçãoAlíquota
Senai1,0%
SESI1,5%
SENAC1,0%
SESC1,5%
SEBRAEvariável no intervalo de 0,3% a 0,6%
SENARvariável no intervalo de 0,2% a 2,5%
SEST1,5%
SENAT1,0%
SESCOOP2,5%

Quando o Sistema S foi criado?

A criação das instituições do Sistema S começou ao longo dos anos 1940. 

O primeiro órgão que surgiu foi o Senai, em 1942 no governo de Getúlio Vargas. 

O objetivo era melhorar a educação profissional para fortalecer e desenvolver a indústria nacional, que era um dos focos na época.

Quatro anos depois, ou seja, em 1946, veio o Senac. Este surgiu no governo de José Linhares, sucessor de Vargas.

O objetivo desta instituição era o de desenvolver o comércio. No mesmo ano ainda foram criados o Sesi e o Sesc.

As demais instituições do Sistema S vieram mais tarde, apenas após a promulgação da Constituição de 1988.

A primeira desta nova fase foi o Sebrae (1990), seguido por Senar (1991), Sest e Senat (1993). A última delas, o Sescoop, foi instituída em 2001.