Shoppings Lideram Baixas do Ibovespa com Incertezas sobre Vacinas
SIMULE AGORA
| ,

Shoppings Lideram Baixas do Ibovespa com Incertezas sobre Vacinas

Perto das 12h20, Multiplan, Iguatemi, BR Malls e JHSF recuavam 3,4%, 3,24%, 2,55% e 2,43%, respectivamente.

Por
Atualizado em 11/01/2021

O segmento de shoppings recuava na B3 (B3SA3) nesta segunda-feira (11), com os papéis das administradoras liderando as quedas do Ibovespa pelo aumento dos casos de coronavírus no país e a demora para o início da distribuição das vacinas pesando no sentimento dos investidores.

Perto das 12h20, Multiplan (MULT3), Iguatemi (IGTA3), BR Malls (BRML3) e JHSF (JHSF3) recuavam 3,4%, 3,24%, 2,55% e 2,43%, respectivamente. O Ibovespa recuava 0,78%, a 124.106 pontos.

Segundo José Falcão, especialista em renda variável da Easynvest, as fortes altas de dezembro das empresas ligadas a shoppings, e também ao turismo, vieram com as boas perspectivas para as vacinas ao redor do mundo.

Banner will be placed here

Mas, agora que a distribuição do imunizante no Brasil mostra atraso e falta de planejamento, devem ser mais penalizadas no curto prazo.

“Shoppings podem ser bons investimentos para quem está olhando o médio ou longo prazo, por estarem muito descontados. À medida que a vacinação começar e as lojas voltarem a abrir em horário integral, os papéis tendem a subir”, aponta.

Varejistas caem

As varejistas Magazine Luiza (MGLU3), Via Varejo (VVAR3), Lojas Americanas (LAME4) e B2W (BTOW3) também recuavam na B3 nesta segunda, dando continuidade à rotação iniciada em meados de novembro, com investidores vendendo os papéis após um ano forte para o comércio online.

As ações ordinárias do Magazine Luiza caíam 1,01%, enquanto Via Varejo, Lojas Americanas e B2W perdiam 1,8%, 1,51% e 1,82%, respectivamente.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações de Empresas com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Na última semana, as empresas acumularam quedas de 5,29%, 5,69%, 10% e 6,52%, respectivamente, contra alta de 5,1% do Ibovespa.

Para Falcão, o movimento não significa que as companhias estejam em um momento ruim, mas que os investidores estão trocando posições para setores que têm espaço para crescer este ano.

“Com o investimento em tecnologia e no e-commerce, a precificação desses ativos mudou. O crescimento do varejo online vai desacelerar em relação a 2020, mas veio para ficar”, diz.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Investing.com.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE