Setor Industrial Se Recupera da Crise de Forma Heterogênea
|

Setor Industrial Se Recupera da Crise de Forma Heterogênea

Segundo CNI, os setores da indústria de melhor desempenho são os produtores de bens de consumo não duráveis.

Por
Atualizado em 26/11/2020

Estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que a indústria brasileira reverteu a queda nos indicadores de produção e faturamento acumulada desde o início da pandemia de covid-19 e retornou aos patamares de fevereiro.

Essa recuperação, no entanto, ocorreu de forma heterogênea.

Em setembro, a produção da indústria de transformação ficou 1,1% acima do registrado em fevereiro, ou seja, antes do choque trazido pela pandemia.

Banner will be placed here

A CNI lembra que, em abril, a produção da indústria estava 31,3% abaixo do indicador de fevereiro, mas teve cinco altas consecutivas de maio a setembro.

O faturamento da indústria de transformação também já superou o patamar anterior à crise. De fato, até mais cedo que a produção.

O faturamento real em setembro está 6,1% superior ao registrado em fevereiro.

No entanto, apesar do retorno aos patamares pré-pandemia, tanto na produção quanto no faturamento, a média do ano continua abaixo da média de 2019.

No acumulado de janeiro a setembro, a produção industrial ficou 8,2% abaixo da média de igual período do ano passado.

No caso do faturamento, a média foi 1,7% inferior ao registrado no mesmo período de 2019.

Os dados constam da Nota Econômica nº 16, divulgada nesta quinta-feira (26) pela CNI.

“Nossa expectativa é que a atividade industrial continue crescendo no quarto trimestre”, afirma Renato da Fonseca, gerente-executivo de Economia da CNI, em comentário enviado à imprensa.

“O faturamento real da indústria certamente registrará um desempenho positivo na comparação do acumulado em 2020 com o de 2019”.

“A produção, no entanto, fechará no vermelho”, continou ele.

Onde Investir na Atual Crise Econômica? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Ações para Lucrar na Crise”.

De acordo com a CNI, a diferença entre as evoluções da produção e do faturamento foi influenciada pela estratégia das empresas em minimizar seus estoques, justificada pela forte queda nas vendas em março e abril e pela elevada incerteza.

As empresas enfrentaram dificuldades de caixa e acumular estoques agravaria esse cenário.

Os números mostram que a indústria já vinha registrando queda em seus estoques desde abril.

Como a retomada da produção ocorreu mais rápido do que o esperado, os baixos estoques contribuíram para a desestruturação das cadeias de produção.

“Com capacidade de resposta (ou seja, de aumento da produção) diferentes, as empresas industriais passaram a ter dificuldade de acesso a insumos e matérias-primas e de atender a demanda de seus clientes.”

“Não fosse a dificuldade em se obter insumos e matérias-primas, o crescimento da produção industrial seria ainda maior”, diz a nota da CNI.

Na esteira da recuperação da atividade industrial, o emprego industrial passou a crescer em agosto.

Ele havia registrado queda de março a julho.

Segundo os Indicadores Industriais da CNI, após acumular queda de 3,6% em cinco meses, o emprego cresceu 1,3% em agosto e 0,5% em setembro.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, mostram que a queda do saldo de emprego formal na indústria de transformação (admissões menos demissões) nos meses de março a junho totalizou 348 mil postos de trabalho.

Em julho, o saldo voltou a ser positivo, com criação de 52,8 mil vagas. Nos meses seguintes, foram criados 90 mil postos de trabalho (agosto) e 108 mil (setembro), destaca a CNI.

Onde Investir na Atual Crise Econômica? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Ações para Lucrar na Crise”.

“Tanto os indicadores da CNI quanto os números do governo mostram que o emprego industrial ainda se encontrava, em setembro, abaixo do nível de fevereiro”.

“No quarto trimestre, o emprego continuará em crescimento, em resposta ao movimento positivo da produção”, afirma a nota.

Os efeitos da crise e a recuperação não são uniformes entre os setores de atividade industrial, segundo a CNI.

Os números mostram que alguns setores já apresentam um desempenho positivo tanto na comparação com fevereiro como com o acumulado no ano.

Os setores de melhor desempenho são os produtores de bens de consumo não duráveis, como alimentos e perfumaria, limpeza e higiene pessoal.

Esses setores registraram valor de produção em setembro acima do nível pré-pandemia (fevereiro), e o valor acumulado no ano já está maior que do mesmo período de 2019.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Valor Econômico

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE