Se aposentar no Brasil tranquilamente, mantendo a qualidade de vida, não é fácil. O país é o penúltimo colocado no ranking global de aposentadoria, à frente apenas da Índia.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

Os dados são do levantamento da Natixis Investment Managers, de 2022.

O estudo considera quatro pontos principais: saúde, finanças, qualidade de vida e bem-estar.

O Índice Global de Aposentadoria (Global Retirement Index) é um índice multidimensional desenvolvido pela Natixis e CoreData Research para examinar os fatores que impulsionam a segurança da aposentadoria.

Ele fornece uma ferramenta de comparação para as melhores práticas na política de aposentadoria e começou a ser feito em 2012.

O índice inclui as economias avançadas do Fundo Monetário Internacional (FMI), membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e os países BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). 

O relatório de 2022 aponta que a crescente inflação contribui para a má qualidade de vida dos aposentados, seguida pela alta do petróleo, alimentos e habitação, que têm corroído o poder de compra dos mais velhos.

Cada vez mais é preciso se organizar financeiramente, buscando investimentos que garantam qualidade de vida para a aposentadoria, sem depender do Governo ou de doações e caridade.

Veja os resultados da pesquisa, os principais desafios dos aposentados brasileiros e como se preparar para um futuro tranquilo.

Brasil na penúltima colocação para segurança de aposentadoria 

O país que lidera o ranking de segurança de aposentadoria global da Natixis é a Noruega, seguido por Suíça e Islândia. 

O Brasil ocupa a 43a posição no ranking geral, perdendo apenas para a Índia.

O país fica de fora da lista dos melhores países em todos os índices avaliados: bem-estar material, saúde, qualidade de vida e finanças para aposentadoria. 

Veja a posição dos países no ranking global de aposentadoria: 

1- Noruega: 81%

2- Suíça: 80%

3- Islândia: 79%

4- Irlanda: 76%

5- Austrália: 75%

6- Nova Zelândia: 75%

7- Luxemburgo: 75%

8- Holanda: 75%

9- Dinamarca: 74%

10- República Tcheca: 73%

11- Alemanha: 72%

12- Finlândia: 71%

13- Suécia: 71%

14- Austria: 71%

15- Canadá: 71%

16- Israel: 70%

17- Coreia do Sul: 70%

18- Estados Unidos: 69%

19- Reino Unido: 69%

20- Bélgica: 69%

21- Eslovênia: 69%

22- Japão: 69%

23- Malta: 68%

24- França: 66%

25- Estônia: 66%

26- Polônia: 64%

27- Cingapura: 64%

28- Portugal: 64%

29- Chipre: 62%

30- Eslováquia: 62%

31- Itália: 62%

32- Hungria: 58%

33- Lituânia: 57%

34- Chile: 55%

35- Letônia: 54%

36- México: 49%

37- Rússia: 49%

38- Espanha: 49%

39- China: 48%

40- Grécia: 42%

41- Turquia: 36%

42- Colômbia:34%

43- Brasil: 29%

44- Índia: 9%

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

Individualmente em cada categoria, a grande nota que o Brasil teve foi no índice de qualidade de vida (59%).

A pontuação leva em consideração fatores como: Felicidade, Qualidade do ar, Água e saneamento, Biodiversidade e Habitat e Fatores Ambientais.

Nesse ítem, o país ocupa a 34ª posição, mas registra uma queda no indicador de felicidade e fatores ambientais. 

O país possui a segunda pontuação mais baixa em água e saneamento e a sétima mais baixa em qualidade do ar. 

No item finanças na aposentadoria, o Brasil ficou com uma pontuação de 57%, quando avaliado a dependência na velhice, empréstimos bancários inadimplentes, inflação, taxa de juros, pressão fiscal, governança e endividamento do governo.

O Brasil ocupa o quinto lugar em dependência dos aposentados de serviços públicos na velhice.

Na saúde, que avalia a expectativa de vida, despesas com saúde per capita e despesas de saúde não seguradas, o Brasil ocupa a 39ª posição (56%), mas é o terceiro país com maior número de mortes por Covid-19. 

O Brasil, em particular, pontua extremamente baixo no quesito bem-estar na aposentadoria, com 4%, a pior avaliação no critério.

O índice macro de bem-estar avalia a igualdade de renda, renda per capita e desemprego.

A baixa nota aconteceu, especialmente, devido à desigualdade de renda no país.

O Índice Global de Aposentadoria Natixis de 2022 indica que a forte inflação deve ser uma grande preocupação para os futuros aposentados. 

As pessoas que querem se aposentar com qualidade de vida deverão se organizar, ainda mais, financeiramente e contar com investimentos que assegurem uma renda passiva.

Outra dificuldade enfrentada pelos brasileiros é a taxa de dependência. 

Os mais idosos do país têm necessidade de auxílio de outros familiares para se manterem.

Onde os planos de aposentadoria podem dar errado

Subestimar o impacto da inflação é o erro número um que os investidores cometem em seu planejamento para a aposentadoria, de acordo com o Índice Global de Aposentadoria Natixis de 2022.

Talvez mais do que qualquer outro fator, a alta dos preços tem o potencial para atrapalhar os planos dos futuros aposentados simplesmente corroendo o valor de compra dos valores que eles trabalharam para acumular.

Mas a inflação é apenas o ponto de partida de uma longa lista de potenciais erros que as pessoas podem cometer em seus planos de aposentadoria. 

Outro item subestimando são os custos de saúde. 

É preciso levar em consideração que, com o passar da idade, os gastos com plano de saúde, médicos e remédios tendem a ficar maiores.

Também não se pode contar que somente com os valores da aposentadoria pública será possível manter a mesma qualidade de vida.

O teto do INSS, ou seja, o valor máximo que a pessoa pode receber de pensão, benefício ou aposentadoria, em 2022, está em R$ 7.087,22. 

Na média, os aposentados recebem R$ 1.578,47 ao mês. 

Novos riscos

Desde que foi publicado pela primeira vez, em 2012, o Natixis Global Retirement Index aponta para riscos comuns para a segurança da aposentadoria como:

  • Envelhecimento da população;
  • Déficits de financiamento de pensões;
  • Economia incerta.

Na última década, novos riscos apareceram para enfatizar o quão difícil pode ser acertar no cálculo da aposentadoria:

  • Inflação: uma ameaça imediata à segurança da aposentadoria 

Custos crescentes podem representar uma ameaça significativa para a segurança dos aposentados pela erosão do poder de compra. 

Os investidores serão desafiados a preservar ativos em um cenário mais volátil de investimento.

  • Taxas de juros e renda: ganhos de longo prazo, dor de curto prazo 

Após uma década de taxas de juros historicamente baixas, os aumentos das taxas do banco central prometem anuizar ativos no longo prazo, mas não sem algumas dores de curto prazo para investidores individuais e institucionais.

  • Demografia: o bom e o ruim de viver mais 

Para os indivíduos, a revolução da longevidade sobrecarregará seus planos de renda. 

Para as instituições, as populações que envelhecem rapidamente testarão os limites dos sistemas de pensões e benefícios do governo.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

Acertar na segurança da aposentadoria e ajudar a garantir que os indivíduos possam viver com dignidade após seus anos de trabalho é uma questão central de sustentabilidade para a sociedade do século XXI. 

O sucesso exigirá um esforço conjunto de formuladores de políticas, empregadores, indústria de serviços financeiros e indivíduos. 

Para o Natixis, tudo começa com a compreensão dos riscos.

Os 10 principais erros de planejamento de aposentadoria
Subestimar o impacto da inflação49%
Subestimar quanto tempo você viverá 46%
Superestimar o rendimento do investimento 42%
Definir expectativas de retorno irrealistas 40%
Ser muito conservador nos investimentos41%
Esquecer de levar em consideração os custos de saúde39%
Não entender as fontes de renda35%
Confiar demais em benefícios públicos33%
Ser muito agressivo nos investimentos 21%
Subestimar os custos imobiliários23%

Fonte: Natixis Investment Managers, Global Survey of Financial Professionals

O que fazer para ter uma aposentadoria tranquila

Manter a qualidade de vida durante o envelhecimento tem sido uma preocupação diante do aumento da expectativa de vida e da dificuldade da aposentadoria do Governo.

Hoje em dia, não é incomum encontrar famílias onde os idosos precisam de ajuda de seus filhos para se sustentarem, pois o valor recebido pelo previdenciário acaba sendo insuficiente. 

Conforme o Índice Global de Aposentadoria mostra, os sinais de alerta estão tocando mais alto em 2022.

As principais preocupações de risco para a segurança da aposentadoria estão chegando ao auge no ambiente econômico e é preciso fazer alguma coisa.

Para não depender do INSS ou da caridade, é preciso começar a se planejar para a aposentadoria desde já.

Você pode complementar o salário ou aposentadoria com renda de dividendos.

Conte com a ajuda de profissionais experientes para te ajudar a montar o melhor plano para proporcionar mais qualidade de vida para você e sua família.

Informe o DDD + 9 dígitos