O que é sardinha?

Sardinha é um jargão do mercado financeiro que é usado para se referir aos pequenos investidores ou acionistas minoritários de uma companhia.

Os sardinhas apresentam pouco capital, quando comparados com os investidores institucionais ou qualificados, que são chamados de tubarões.

Estes são aqueles que possuem milhões, ou bilhões, em aplicações no mercado financeiro e de capitais.

Por vezes o termo sardinha também é usado de forma pejorativa, se referindo a investidores iniciantes, que ainda não possuem uma experiência mínima para lidar com os ciclos traiçoeiros do mercado.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

O mar do mercado financeiro: sardinhas e tubarões

O mercado financeiro é muitas vezes interpretado de forma análoga ao de um oceano.

Ou seja, é um ambiente que apresenta várias espécies diferentes de investidores, que são os “peixes”.

Há as sardinhas, que são pequenos investidores que, por serem pequenos, não conseguem modificar muito o ambiente do mercado.

Já os grandes investidores são vistos como tubarões, pois em uma “abocanhada” consegue “engolir” várias sardinhas e modificar todo o ambiente de negociação.

Tanto no mar como no mercado o papel do tubarão é o mesmo: comandar. 

O tubarão é utilizado para se referir aos grandes players do mercado que têm o poder de ditar muitos dos rumos da bolsa de valores. 

Esse tipo de investidor pode se “alimentar” dos sardinhas e, em alguns casos, encurralam os menores para conseguirem lucros maiores. 

Sendo assim, os sardinhas que queiram sobreviver no oceano deverão acompanhar os tubarões, e não ir de encontro às suas decisões.

Ou seja, se há um movimento forte de um grande investidor (tubarão) vendendo um ativo, os sardinhas deverão acompanhar, também realizando a venda.

Aqueles que optarem por se posicionar de forma “comprada” no papel, poderão ter perdas irreversíveis e serem engolidos pelos tubarões.

Já os que seguirem os tubarões poderão se beneficiar da corrente e obter ganhos financeiros consideráveis.

A revolução das sardinhas: o caso da GameStop

Em janeiro de 2021 houve um movimento intrigante na bolsa de valores de Nova York, nos EUA.

A GameStop, empresa varejista de jogos de vídeos e entretenimento, fundada em 1984, com sede em Dallas, no Estado do Texas, se envolveu em uma polêmica com usuários da rede social Reddit.

Na ocasião, vários usuários do Reddit combinaram uma ação conjunta para valorizar as ações de empresas em dificuldades financeiras.

Nessa trama, a GameStop virou a principal bandeira deste grupo de usuários. 

Como resultado, em janeiro de 2021, a varejista decadente de games viu suas ações dispararem 981%. 

Nessa disparada das ações da GameStop, os “sardinhas” deixaram alguns “tubarões” feridos pelo caminho que apostaram na queda de ação. 

O caso mais emblemático é do Melvin Capital, que precisou contar com um resgate de US$2,7 bilhões para não ir à falência.

Esse evento foi chamado de “revolta das sardinhas.

Esse movimento inspirou várias pessoas ao redor do mundo, inclusive no Brasil.

Por aqui, um grupo de investidores resolveu seguir os passos da comunidade do Reddit, e alavancar ações do IRB por meio de uma repentina demanda sobre suas ações. 

O IRB Brasil RE é uma empresa privada de capital aberto. É a maior resseguradora do Brasil, com 37% de market share.

Essa ação gerou prejuízo a várias pessoas quando, em fevereiro de 2020, uma casa de análise chamada Squadra emitiu um relatório apontando diversos problemas no balanço da empresa.

Esse relatório induziu vários investidores, principalmente os tubarões, a vender seus ativos. Isso derrubou os preços da ação, gerando uma depreciação em mais de 70%.

Dessa forma, ao se inspirarem no caso da GameStop, vários investidores brasileiros (cerca de 20 mil) decidiram se reunir em um grupo do telegram para planejar uma revolução das sardinhas brasileiras.

Ao contrário do grupo norte-americano, os sardinhas brasileiros não conseguiram o mesmo feito, embora tenham conseguido gerar um aumento momentâneo de 17% no preço do ativo.