Além de construir o império da Berkshire Hathaway (BERK34), Warren Buffett também contribuiu para o sucesso de outras grandes empresas, entre elas o Google.

Atualmente a Alphabet (GOGL34), empresa controladora do Google, está entre as empresas mais valiosas do mundo, com uma capitalização de mercado de US$ 2 trilhões. 

Seus cofundadores, Sergey Brin e Larry Page, poderiam ter mantido seus negócios privados se não fosse por um encontro casual com Warren Buffett.

"Brin e Page concordaram em abrir o capital somente depois de conhecer Warren Buffett, o lendário magnata dos negócios americano, que apresentou os dois jovens fundadores à estrutura de ações de duas classes", escreveu o autor Mike Isaac em "Super Pumped: A batalha pelo Uber."

Os cofundadores do Google estavam relutantes em listar sua empresa, pois temiam que os investidores lhes dissessem o que fazer e os pressionassem a fazer mudanças se o crescimento desacelerasse, relatou Isaac. 

Eles abraçaram a ideia de IPO somente depois que Buffett disse que eles poderiam manter o controle emitindo duas classes de ações.

Quando abriu o capital em 2004, o Google emitiu ações "A" com um único direito de voto.

Enquanto isso, seus cofundadores acumularam ações "B" com 10 direitos de voto cada, garantindo que não seriam derrotadas nas decisões.

Da mesma forma, a Berkshire Hathaway oferece ações "A" com um voto cada e ações "B" com 1/10.000 de um voto por ação. 

As quase 239.000 ações "A" de Buffett significam que ele controla 31,5% dos direitos de voto da Berkshire, apesar de ter apenas 15,8% de participação econômica na empresa.

Nos Estados Unidos as ações ordinárias são divididas em classes, onde cada uma segue uma regra e privilégios distintos. 

Brin e Page explicaram a estrutura de ações de duas classes no prospecto de IPO do Google em 2004.

A dupla incluiu uma seção intitulada "Carta dos Fundadores: 'Manual do Proprietário' para os Acionistas do Google".

"Muito disso foi inspirado pelos ensaios de Warren Buffett em seus relatórios anuais e seu 'Manual do Proprietário' para os acionistas da Berkshire Hathaway'", escreveu a dupla em uma nota de rodapé.

Inspirando a criação da Alphabet

Buffett também inspirou a criação da Alphabet (GOGL34) em 2015, uma holding que abriga Google, DeepMind, Waymo e outros negócios.

A ideia veio enquanto Brin, Page e o ex-CEO do Google Eric Schmidt visitaram o investidor vários anos antes e perceberam que uma estrutura descentralizada e autônoma como a da Berkshire permitiria que eles escalassem sua empresa para novos patamares.

"A gênese do Alphabet é uma reunião que Larry, Sergey e eu tivemos cerca de uma década atrás, onde voamos - tecnicamente, eu voei com eles, chocante - para Omaha, e visitamos Warren Buffett", disse o ex-CEO do Google, Eric Schmidt, no evento anual da Alphabet em 2017.

"Lembro-me de sentar no 14º andar e ficar impressionado com o extraordinário sucesso de seu modelo", continuou Schmidt. 

"Ele descobriu um problema que atormentou todos nós em nossa indústria por anos, que era como estabelecer escalabilidade, certo?'

"Ele tinha uma fórmula particular, que era a independência das empresas, CEOs fortes, operação independente e marca forte dessas corporações", acrescentou Schmidt. 

Seguindo o exemplo do famoso investidor, a Alphabet construiu um "mecanismo de dimensionamento corporativo que nunca vimos no mundo", disse ele.

A Berkshire Hathaway de Buffett possui dezenas de empresas, incluindo Geico, Dairy Queen e See's Candies

O Oráculo de Omaha confia nos gerentes para administrar as empresas com supervisão mínima, liberando-o para se concentrar no quadro geral e alocar capital de forma inteligente em todo o conglomerado.

Os chefes da Alphabet, no entanto, fizeram algumas distinções entre a estrutura de sua empresa e sua inspiração.

Por outro lado, Buffett admitiu que um dos seus maiores erros foi não ter investido no Google quando teve a chance.

Fonte: Business Insider

Onde Investir na Queda da Bolsa? Baixe a Lista de 3 Ações para Investir Agora.