Os brasileiros estão mais dispostos a gastar no varejo neste terceiro trimestre.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Em comparação ao mesmo período do ano passado, projeções indicam aumento na intenção de compra de 2,44%, enquanto na comparação com o segundo trimestre de 2022, a recuperação será de 1,28%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar).

No acumulado dos últimos 12 meses, o saldo negativo cai para 0,6%. Em nota à imprensa, o presidente do Ibevar, Claudio Felisoni de Angelo, destaca que mesmo com a inflação em alta em junho, as projeções econométricas indicam movimento de retomada no varejo.

"Registrou-se queda acentuada apenas para categorias que haviam expandido no período pandêmico, como os itens associados às restrições impostas pelo isolamento social: livros, informática e telefonia, por exemplo", afirma o executivo.

O crescimento da massa real de pagamentos explica, em boa parte, essa tendência, de acordo com o presidente do Ibevar.

Outro elemento que sustenta esse cenário é o crescimento do volume total de crédito concedido às pessoas físicas desde o início da pandemia.

Como Investir no Cenário Econômico Atual? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização no Brasil.

O instituto destaca também os resultados do trimestre em relação aos três meses anteriores em diferentes categorias.

Livros, jornais, revistas e papelaria registraram a maior queda do período: 8,6%, enquanto tecidos, vestuários e calçados apresentam um cenário melhor: alta de 5,2%, seguido de outros artigos de uso pessoal e doméstico, a linha branca: 4,9%.

Móveis e eletrodomésticos apresentam uma tímida recuperação, 1,57%.

Fonte: Estadão Conteúdo.