O que é Portfólio

Portfólio

O que é Portfólio. Entenda melhor o conceito de Portfólio e descubra sua importância!

O que é Portfólio

Portfólio é uma carteira de investimentos de determinado investidor, podendo ser pessoa física ou jurídica, no âmbito do mercado financeiro.

Portfólio depende diretamente do tipo de investidor que o possui, pois varia de acordo com seu perfil e as condições que se predispõe a assumir.

Além disso, Portfólio depende da combinação dos diversos ativos que ele engloba, pois o conjunto de seus desempenhos resultam em uma rentabilidade específica.

Banner will be placed here

Características de Portfólio 

Portfólio pode ser construído através da combinação da alocação de ativos, que depende dos objetivos do investidor, da rentabilidade, do risco a ser assumido e da diversificação de ativos.

Com isso, pode-se defini-lo através das características do Perfil de investidor. Ele pode ser dividido em três perfis:

  • Conservador;
  • Moderado;
  • Arrojado.

O Conservador é definido pelo investidor que busca por estabilidade, alta liquidez e preservação de suas finanças, ou seja, da proteção de seu capital

Geralmente, englobam pessoas iniciantes em investimentos, ou aquelas que não querem correr  risco de perder suas economias, tendo objetivos de curto a médio prazo, como compra de imóveis ou carros.

Ativos em renda fixa, como títulos do Tesouro Direto, CDB, Letra de Crédito Imobiliário (LCI), são os mais indicados para este perfil, pois visam a liquidez e proteção dos investimentos.

Já o investidor Moderado pode assumir mais riscos, visando aumentar sua rentabilidade, com um Portfólio diversificado entre renda fixa e renda variável.

Essa mescla é possível, pois estão abertos a uma menor liquidez e à perda de valores investidos até certo ponto. Mas, ainda, valorizam a proteção patrimonial. 

Portanto, a parcela investida em renda variável é menor do que em renda fixa.

Assim, o Portfólio pode ser composto tanto por Debêntures e Poupança – investimentos em renda fixa -, quanto por Fundos imobiliários e Ações – em renda variável -, por exemplo.

Por fim, o Portfólio do investidor Arrojado caracteriza-se por diversificação, visto que seu perfil tem bom conhecimento na área, tendo a intenção de assumir mais riscos para buscar maiores retornos.

Procura aumentar o patrimônio a longo prazo e está mais aberto aos riscos possíveis, gerando uma maior diversificação de sua carteira de investimentos, o que pode lhe gerar maior proteção.

Ao contrário do perfil Moderado, o Portfólio do investidor Arrojado engloba maiores investimentos em renda variável, visando maior lucro e rentabilidade.

Assim, investem mais em ativos como ações, fundos imobiliários e BDR, por exemplo.

O Portfólio pode alterar-se conforme o tempo passa, dependendo da rentabilidade e o crescimento que a carteira de investimentos gera ao seu investidor.

Etapas de alocação de ativos no Portfólio 

Portfólio é dividido através da alocação de ativos e algumas etapas são seguidas para a efetivação desse processo. São elas:

  • Definição do perfil do investidor;
  • Escolha e abertura de conta em corretora;
  • Definição da proporção de categorias de ativos;
  • Definição dos ativos em cada categoria;
  • Definição do percentual de cada ativo;
  • Aportes mensais;
  • Reequilíbrio da carteira de investimentos.

Após ocorrer a definição do perfil do investidor, este elege e abre conta na corretora que melhor lhe atenda. Corretoras costumam atender melhor às demandas do que os bancos tradicionais.

Depois, considerando-se ainda o perfil do investidor, define-se a proporção de categorias de ativos que estarão nesta carteira, entre renda fixa, fundos, ações, fundos imobiliários e proteção.

Feito isto, são elegidos quais são os ativos de cada categoria, a depender dos objetivos financeiros e, também, o percentual investido em cada um deles.

Aportes mensais devem ser feitos em seu Portfólio, que são pequenos valores investidos mensalmente, baseados no preço médio – rendimentos mais lucrativos através de juros compostos.

Ainda, deve-se fazer, trimestralmente, de preferência, um reequilíbrio da carteira de investimentos. Seria uma forma de reavaliar quais ativos continuam fazendo sentido, ou aqueles que devem ser retirados do Portfólio.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE