O que é Plano Real

Plano Real é o nome dado a um dos Planos voltados à estabilização da hiperinflação brasileira que perdurou toda as décadas de 1980 e 1990. O Plano Real foi implantado em 1994, e, além do sucesso em controlar a inflação do período, implantou a atual moeda em uso no Brasil: o Real.

De modo geral, o Plano Real também adotou diversas medidas de contenção de preços e recuperação do crescimento econômico.

O Plano foi realizado ainda no governo de Itamar Franco (1992-1995), e prosseguiu até o governo seguinte, de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), momento em que a Unidade Real de Valor (URV) foi implantada. 

Cardoso foi um dos formuladores dos formuladores do Plano Real, juntamente com a equipe econômica de peso: André Lara Resende, Edmar Bacha, Gustavo Franco e Pedro Malan. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Contexto do Plano Real 

As décadas de 1980 e 1990 arrastaram diversos problemas econômicos do Brasil. Diversos planos anteriores ao Plano Real foram adotados como formas de contenção da inflação e de melhoria das condições do setor externo (no contexto da crise da dívida externa brasileira).

Também nesse período, diversas políticas monetárias adotaram a troca de moeda como forma de se livrar da inflação inercial que as moedas carregavam consigo e controlar os preços.

Contudo, os planos anteriores falharam. Muitas vezes, ainda traziam recessão ou outros efeitos negativos à economia brasileira. 

Pouco tempo antes de o Plano Real ser implantado, a inflação chegava na casa dos quatro dígitos devido ao mecanismo de indexação de preços.

A indexação de preços, no contexto da hiperinflação, fazia com que houvesse um aumento da demanda, uma vez que a população prefere estocar mercadorias por medo de uma nova desvalorização da moeda

O IPCA instável fez com que a população não soubesse mais o valor real das mercadorias. Nesse período, a população de baixa renda sofreu ainda mais por não conseguir acompanhar os preços inflacionados, resultando num aumento da pobreza e da desigualdade.

Importância do Plano Real

É nesse cenário que o Plano Real é realizado. Não bastava apenas uma reviravolta econômica no país. Era necessário que as pessoas acreditassem no Plano Real depois de tantos outros Planos implantados anteriormente.

Portanto, um dos fatores responsáveis pelo sucesso do Plano Real foi a coordenação das expectativas dos agentes econômicos, ou seja, da população como um todo (empresas, famílias, o mercado), que acreditaram na aplicação do Plano e nos resultados que ele traria. 

O Governo também agiu conforme o estabelecido no Plano, anunciando as medidas de antemão, não realizando mudanças repentinas (como congelamento de preços ou confisco da Poupança) que causariam a quebra de expectativa da população.

Medidas do Plano Real 

O Programa de Ação Imediata (PAI) foi a primeira etapa do Plano Real. Orientou o ajuste fiscal da economia, que seria necessário antes da troca de moeda

O ajuste fiscal teve como finalidade equilibrar as contas públicas (buscar um superávit) através de um aperto orçamentário e privatizações. 

Como forma também de garantir um superávit para a balança comercial, o país realizou abertura econômica, com redução de impostos de importação.

A segunda etapa do Plano foi a implantação da Unidade Real de Valor (URV), uma moeda escritural utilizada para desindexar os preços da economia de forma concomitante. Ocorreria a transição do Cruzeiro Real para a URV. A paridade da URV era de acordo com a cotação do dólar.

Por fim, a última etapa foi a adoção do Real, em 1994.

Resultados do Plano Real 

Após a implantação das etapas, houve redução da inflação e os preços foram normalizados. O Real se consolidou. O país conseguiu encaminhar-se para um crescimento econômico, com mais investimentos no parque industrial e aumento na geração de empregos.