O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), afirmou que a Petrobras (PETR4) não pode continuar usando a paridade de preços internacionais, que atrela o reajuste dos preços dos combustíveis à variação do barril de petróleo no exterior.

"Vivemos um momento excepcional, ninguém quer interferir, nem vai interferir nos preços dos combustíveis. Mas a Petrobras não pode continuar usando a paridade de preços internacionais, sendo que nós somos autossuficientes, não somos em refino, sempre repassando isso para o povo", disse o presidente em entrevista à Rádio Massa FM. 

Lei Rouanet 

Bolsonaro aproveitou ainda a entrevista para criticar a Lei Rouanet de incentivo à cultura. "Minha ideia é transformar a lei Rouanet em outra coisa", declarou o chefe do Executivo.

"R$ 500 mil reais é o teto, é muito dinheiro. Pode diminuir um pouco mais o valor." 

Onde Investir no Cenário Político Atual? Baixe Grátis o Relatório “Os Melhores Investimentos com a Política Atual".

Auxílio Brasil 

O presidente ainda defendeu nesta terça-feira o Auxílio Brasil, aposta do governo para vitrine social nas eleições deste ano.

"As pessoas se sentem felizes e reconhecidas com essa ajuda que é pequena, mas é a que o Brasil pode dar para ela", declarou o chefe do Executivo.

"Eu sei que R$ 400 não é muita coisa, mas para quem está na lona ajuda bastante", acrescentou.

Onde Investir no Cenário Político Atual? Baixe Grátis o Relatório “Os Melhores Investimentos com a Política Atual".

Resultado da Petrobras no Primeiro Trimestre de 2022  

Os resultados da Petrobras (PETR4) referente a suas operações do 1T22, foram divulgados no dia 8 de Maio, apresentou um lucro líquido de R$ 44,8 bilhões no 1T22, alta de 3.409,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Ebitda ajustado da Petrobras atingiu R$ 77,7 bilhões no 1T22, apresentando crescimento de 58,8% na comparação com o 1T21.

margem líquida da Petrobras atingiu 31,6% no 1T22, apresentando crescimento de 30,1 pontos percentuais na comparação com o 1T21.

A ações da Petrobras (PETR4) acumulam queda de 7,37% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 60,42% nos últimos 12 meses.

Fonte: Estadão Conteúdo.