O volume financeiro movimentado por pessoas físicas em corretoras, bancos e plataformas de investimentos superou R$ 4,6 trilhões no primeiro semestre.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

O número representa uma alta de 2,8% em relação a dezembro de 2021, segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

O total do período só não foi maior pela retração do volume vindo do segmento private (-1,7%), afirmou Ademir Correa, presidente do Fórum de Distribuição da Anbima, em coletiva na tarde de terça-feira.

A alta foi puxada pelos varejos de alta renda (+5,4%) e tradicional (+5,9%) que movimentam volumes menores.

"Se não houvesse a queda no private, a porcentagem geral seria mais próxima da observada no varejo. Mas é um movimento natural por conta do prolongamento desse momento com guerra, cenário pós-pandemia e inflação", diz Correa.

Varejo prefere renda fixa

A renda fixa foi o segmento que mais cresceu na carteira dos investidores pessoa física durante o semestre, pulando de 57,5% do total em dezembro para 61,3% em junho.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

A renda variável encolheu (de 19,5% para 16,7%), assim como os ativos híbridos - fundos multimercado, fundos de índice (ETFs), fundos imobiliários e certificados de operações estruturadas (COEs) -, que reduziram o espaço de 17,8% para 16,7% do total.

O segmento de previdência segue ocupando 3,7% das carteiras. Segundo a Anbima, 81,7% do volume financeiro do investidor de varejo está na renda fixa, enquanto no private o segmento representa 27,5% do total.

Ainda no varejo, a poupança é o produto favorito (32,9% da carteira), com os certificados de depósito bancário (CDBs) em segundo lugar (19,9%).

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Vale destacar que, embora favorita, a poupança teve retração de 2,3% no volume financeiro do semestre, considerando todos os investidores.

Na avaliação de Correa, o total na poupança diminuiu por conta do "retorno à normalidade com o pós-pandemia" e o aumento do consumo.

Em relação ao segmento private, observa-se maior concentração dos recursos em renda variável (30,5%) e em ativos híbridos (28,1%) - entre eles, os fundos multimercados ganham destaque (24,2%).

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Na comparação com o volume do varejo, os números para renda variável são menores: o varejo de alta renda tem 11,4% no segmento e o tradicional, apenas 6%.

Fundos de ações e multimercados têm fuga de capital

O volume movimentado em fundos de investimento teve uma variação negativa em 3,5% no semestre, com perda maior nas classes de ações (-18%) e multimercados (-5,1%).

Os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs) também apresentaram recuo forte, de 20,5%.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

"Isso decorre da turbulência vista nos mercados", avalia Correa. "Em cenários assim, os investidores fazem movimentos mais conservadores", justifica, apontando que os fundos de renda fixa e imobiliários tiveram altas de 4,5% e 5,3%, respectivamente.

CDB e LCA são mais distribuídos

Os CDBs e as letras de crédito do agronegócio (LCAs) disputam o ranking dos títulos mais comercializados pelas instituições, aparecendo em 79,2% e 65,2% das casas, respectivamente.

Fonte: Estadão Conteúdo.