A Pague Menos (PGMN3) apresentou nesta segunda-feira, 2, lucro líquido de R$ 24,4 milhões para o primeiro trimestre de 2022.

A cifra representa queda de 44,8% em relação ao mesmo período de 2021.

O Ebitda da companhia, por sua vez, ficou em R$ 162,4 milhões, praticamente estável, com alta de 1,9% na mesma base comparativa.

O diretor financeiro da companhia, Luiz Novais, diz que o recuo na rentabilidade se deve ao impacto da expansão da rede que, desde o terceiro trimestre do ano passado, abriu 90 novas lojas.

Segundo a empresa já havia sinalizado ao mercado sobre o peso que a expansão teria nas margens da companhia, mas diz que os números apresentados pelas novas lojas dão sinais positivos para os próximos trimestres.

"Temos boas notícias. Durante o primeiro trimestre, 90% das novas lojas estava com ponto de breakeven (equilíbrio entre receitas e despesas)".

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

 Segundo o executivo isso indica que o plano da companhia está sendo bem sucedido e que, no terceiro trimestre desse ano, os indicadores de rentabilidade tendem a estar mais equilibrados, uma vez que - além da maior maturidade das lojas abertas recentemente - será possível comparar trimestres com números mais próximos de abertura de novas lojas.

A receita bruta da companhia cresceu 10,5% e chegou a R$ 2,1 bilhões, enquanto a líquida ficou em R$ 1,972 bilhão, com alta de 11%.

As vendas em mesmas lojas cresceram 7,1%.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Novais explica que a rede calcula a inflação de seu mix de produtos em cerca de 6,3%.

Segundo essa loja, o crescimento das vendas teria ficado acima da inflação.

Do reajuste de 7,4% sobre o preço dos medicamentos autorizado no ano de 2021, ele diz que o setor repassou apenas 6,5%, a rede pondera esse valor inflacionário com a alta de preço de produtos de higiene e beleza.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Para Novais, os desafios da companhia estão em lidar com a inflação que atinge a distribuição de seus produtos, em razão da alta de combustíveis, além necessidade de manter as 1100 lojas da rede performando bem em maio a novas aberturas e à integração dos pontos de venda da Extrafarma.

A empresa aguarda atualizações do  Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a aquisição da Extrafarma em breve.

Fonte: Estadão Conteúdo.