O que é Orçamento Familiar

Orçamento Familiar é uma ferramenta de planejamento utilizada por membros de uma família para controlar e gerenciar melhor toda a receita e as despesas de uma família ao longo de um mês.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Dito de outra forma, o Orçamento Familiar é o instrumento que as famílias dispõem para acompanhar, inspecionar e planejar toda a situação financeira mensal, tornando possível investimentos e aquisições.

Os objetivos do Orçamento Familiar podem ser vários, desde adquirir algum móvel ou imóvel até somente organizar as contas da família para evitar dívidas e gastos supérfluos. O importante é saber registrar e estabelecer metas.

Dessa forma, o Orçamento Familiar é fundamental para qualquer família, independentemente de seu tamanho, para disciplinar os gastos e criar um senso de responsabilidade financeira entre os membros.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona Orçamento Familiar 

Desenvolver um Orçamento Familiar não é uma tarefa extremamente complicada e pode ser feita inclusive pelos membros da família. Contudo, muitas das vezes, um profissional adequado poderá trazer benefícios.

Em geral, profissionais graduados em ciências contábeis e regularizados pelo Conselho Federal de Contabilidade adquiriram em sua formação uma capacidade técnica de enxergar e observar detalhes que passam despercebidos.

Entretanto, para núcleos familiares com poucos problemas financeiros, elaborar um Orçamento Familiar é simples, bastando apenas seguir algumas etapas referentes às informações financeiras e as metas da família.

O primeiro passo é fazer um diagnóstico amplo da situação financeira da família, o que inclui registrar as receitas, todos os gastos e despesas de um mês, além das dívidas.

Nenhuma despesa pode ser esquecida: aluguel, água, luz, internet, IPTU, IR, seguros, gastos alimentares, transporte, educação, lazer e até compras em geral, como vestuário e acessórios.

Em seguida, será necessário colocar todas essas informações em alguma planilha ou ferramenta adequada. Hoje em dia existem muitos softwares e aplicativos de celular que simplificam essas anotações.

É importante categorizar essas despesas em tópicos comuns, como alimentos, transportes e tarifas básicas, pois isso será muito útil para, posteriormente, identificar despesas que podem ser cortadas ou ajustadas.

Em um terceiro momento, será preciso realizar o saldo entre receitas e gastos a fim de constatar se a situação financeira da família está sustentável ou se uma mudança nos gastos será indispensável.

O corte de gastos é uma das melhores formas de sanar dívidas ou guardar dinheiro em uma reserva, mas ele deve ser pensado a partir das categorias e do que pode trazer mais retorno para a família.

Constatado o saldo e feito um mapeamento de quais gastos podem ser cortados, a quarta etapa consiste em traçar o objetivo financeiro ou a meta da família, o que dependerá de cada núcleo familiar.

Por fim, o último passo corresponde ao planejamento e o acompanhamento dos próximos meses, sempre levando em consideração aquilo que foi colocado como objetivo almejado pelo Orçamento Familiar.

Para que serve Orçamento Familiar 

O Orçamento Familiar é peça chave para uma família que deseje evitar problemas financeiros e atingir objetivos comuns. Além disso, ele carrega uma série de possibilidades.

Em primeiro lugar, o Orçamento Familiar, caso seguido à risca, garante uma estabilidade de médio e longo prazo para a família, principalmente se uma parcela da receita for destinada para um fundo de emergência.

Planejar a vida financeira da família também permite destinar uma parte do dinheiro para investimentos que poderão, no futuro, trazer retornos interessantes, como em renda variável, ou assegurar uma previdência privada para complementar a previdência social.

Por outro lado, o benefício do orçamento também pode ser na educação e na disciplina da família, pois irá envolver todos em um projeto de longo prazo, bem como ensinar os filhos a ter responsabilidade financeira.

Dessa maneira, com um olhar minucioso sobre tudo que entra e sai, o núcleo familiar terá efetuado gastos mais responsáveis e mais planejados, reduzindo os riscos e as dívidas.