O que é OIT - Organização Internacional do Trabalho

OIT - Organização Internacional do Trabalho é um órgão internacional associado diretamente com a ONU, que luta por melhores condições de trabalho ao redor do mundo.

Quase todos os países do mundo são membros da OIT. O número exato é de 186. E em todos estes países ela possui uma representação tripartite (governos, trabalhadores e empregadores).

A sede da OIT fica em Genebra, na Suíça. No entanto, a organização conta com mais de 40 escritórios representativos espalhados pelo mundo.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

História da OIT - Organização Internacional do Trabalho 

Apesar de atualmente fazer parte da ONU, a OIT foi criada em 1919 como um braço da Liga das Nações, depois do fim da Primeira Guerra Mundial.

O documento que garante a legitimidade da OIT é o Tratado de Versalhes, que foi assinado ao fim daquela guerra para oficializar as condições de rendição da Alemanha.

No entanto, a ideia de uma legislação trabalhista uniformizada que pudesse servir de base para todas as nações do mundo surgiu ainda no século XIX.

Foram os líderes industriais Robert Owen e Daniel Legrand que começaram a refletir nas questões éticas e econômicas sobre o custo humano após a Revolução Industrial.

Depois do seu estabelecimento oficial, alguns fatos históricos importantes da OIT merecem ser destacados:

  • Em 1944 a OIT elaborou a Declaração da Filadélfia, que depois serviu de base para a Declaração Universal dos Direitos Humanos e Carta das Nações Unidas;
  • Em 1969 a OIT foi laureada com o Nobel da Paz por todos os seus importantes esforços ao longo dos últimos 50 anos.
  • Desde a sua criação a OIT busca ser uma órgão que preza pelo Tripartismo.

Tripartismo e a OIT - Organização Internacional do Trabalho

O Tripartismo busca alcançar um consenso na criação de normas e condições de trabalho ouvindo igualmente organizações de trabalhadores, de empregadores e governos.

A intenção é que, ouvindo todas as partes envolvidas no processo de trabalho, as chances de se construir um acordo que será cumprido se tornam maiores.

Objetivos da OIT - Organização Internacional do Trabalho

A razão da existência da OIT é promover a paz, a harmonia e o progresso econômico sem deixar de lado as questões sociais relacionadas ao trabalho e a sua constante evolução.

E quanto mais globalizadas se tornam as economias mundiais, mais necessário se vê um arcabouço de regras e normas que precisam ser pensadas para garantir justiça social.

Isso porque a OIT tenta buscar uma harmonia entre questões políticas, humanitárias e econômicas. E para que isso aconteça é necessário haver concordância entre os países.

Se, por exemplo, um país não aceita impor melhores condições de trabalho, torna-se difícil que outros países façam o mesmo. 

E se não houver um esforço das nações para equalizar as condições sociais dos trabalhadores, conflitos sociais podem irromper, trazendo graves consequências econômicas.

Por isso, de forma geral, os objetivos da OIT podem ser resumidos em:

  • Estabelecer e propagar normas, princípios e direitos fundamentais no trabalho;
  • Atuar para a criação de oportunidades de trabalho e renda sustentáveis para homens e mulheres;
  • Expandir a cobertura e a eficiência da proteção social para todos;
  • Potencializar o tripartismo e o diálogo social. 

OIT e a economia mundial

Existem muitos fatores que precisam ser relacionados e considerados no momento de se avaliar a economia de um país.

Enquanto a liberdade econômica é um pré-requisito óbvio, também é necessário avaliar como está a distribuição de renda e se existe o mínimo de igualdade social garantida.

Países com uma disparidade econômica muito grande entre a base da população e o seu topo tendem a ser ambientes menos estáveis, o que torna os investimentos menos seguros.

Os investidores de sucesso avaliam muito bem as questões macroeconômicas antes de resolverem investir, ainda mais se a intenção for investir no exterior.

Por isso a OIT presta um serviço fundamental, garantindo que as relações de trabalho sejam justas, que os empregados não fiquem insatisfeitos, resguardando a economia de turbulências.