O que é Investidor Qualificado e Como se Tornar um
|

O Que é Investidor Qualificado e Como Funciona a Classificação de Investidores

O investidor qualificado tem acesso a uma gama maior de ativos e um potencial maior de retornos.

Por
Atualizado em 10/07/2020
Avalie esse texto

Ao se tornar um investidor qualificado você tem acesso a investimentos mais restritos, com possibilidade de aumentar seus rendimentos.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divide os investidores em três grupos: investidores profissionais, qualificados e de varejo conforme seu nível de conhecimento, tolerância a riscos e patrimônio investido.

O objetivo é oferecer investimentos apropriados de acordo com o perfil de investidor, nível técnico e o patrimônio. 

Entrar para o seleto grupo de investidores qualificados significa ter acesso a aplicações financeiras que não são permitidas a investidores comuns.

Ser um investidor qualificado abre muitas portas no mercado financeiro, possibilitando aumentar seu patrimônio ainda mais.

Quer fazer parte deste grupo?

Então continue a leitura e veja como se tornar um investidor qualificado a partir de hoje.

O que é um investidor qualificado?

Investidor qualificado é aquele que possui valor superior a R$ 1 milhão em investimentos e/ou que detêm conhecimentos adequados sobre investimentos financeiros e os riscos envolvidos.

A CVM implantou em 2013 a classificação dos tipos de investidores com a instrução 539 e posteriormente alterada pela Instrução 554/14.

O objetivo é oferecer os investimentos apropriados de acordo com o risco e o patrimônio investido e assim, proteger os investidores de riscos desnecessários com a possibilidade de perdas catastróficas.

Portanto, entende-se que o investidor qualificado possui mais conhecimento para gerenciar os riscos e suportar a volatilidade do mercado sem prejudicar seu patrimônio.

O artigo 9-B da Instrução CVM n.º 554 considera investidores qualificados:

  • Pessoa física ou jurídica que possui investimentos financeiros superior a R$ 1 milhão e que ateste essa condição por escrito;
  • Pessoa física que tenha sido aprovada em exames de qualificação técnica ou possui alguma certificação que a CVM aceite para fins de consideração de investidor qualificado;
  • Investidores profissionais;
  • Clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por um ou mais cotistas que sejam investidores qualificados.

Produtos exclusivos

O investidor qualificado pode investir em ativos restritos a investidores qualificados e profissionais, com maior rentabilidade e volatilidade.

A restrição a certos investimentos é uma forma de proteger o investidor comum dos riscos envolvidos, já que este pode não estar ciente e perder dinheiro.

Alguns exemplos de produtos exclusivos para investidores qualificados e profissionais são:

Banner will be placed here

Como se tornar um investidor qualificado?

Há duas maneiras de se tornar um investidor qualificado:

  • Ter mais de R$ 1 milhão aplicado em investimentos financeiros;
  • Aprovação em algum exame de certificação aceito pela CVM.

Ou seja, mesmo que você não tenha um milhão de reais aplicados, ainda assim pode se tornar qualificado através de certificação que conceda esse status.

Investidor com mais de R$ 1 milhão

O processo para se tornar investidor qualificado para aqueles que já possuem mais de R$ 1 milhão aplicado em investimentos financeiros no Brasil é simples.

Basta solicitar o Termo de Investidor Qualificado junto à sua corretora de valores

Nele, o investidor declara que possui um montante acima de R$ 1 milhão aplicado e que possui o conhecimento necessário para aplicações com grau de risco mais elevado.

Investidor aprovado em exame de qualificação técnica

Se você não possui R$ 1 milhão aplicado e mesmo assim deseja se tornar um investidor qualificado deve passar por um exame de qualificação técnica.

Nesta prova deverá comprovar seus conhecimentos técnicos sobre o mercado financeiro.

Entre os conteúdos abordados estão temas como legislação de finanças e investimentos, classificação de fundos de investimento, formas de proteção do capital (hedge), derivativos, noções de economia, regulamentações, entre outros.

Os testes aprovados pela CVM são: 

  • CEA – Certificação de Especialista em Investimentos ANBIMA;
  • CGA – Certificação de Gestores ANBIMA;
  • CFP – Certified Financial Planner – Planejador Financeiro;
  • CFA III – Chartered Financial Analyst;
  • Agente Autônomo de Investimentos – Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias;
  • CNPI – Analista de Valores Mobiliários.

O objetivo destas provas é atestar que o investidor está apto a aplicar em investimentos mais complexos e arriscados. Portanto, elas não são indicadas para os investidores iniciantes. 

Vantagens e Desvantagens do Investidor Qualificado

Ser um investidor qualificado traz uma série de benefícios tanto no acesso a produtos financeiros restritos, como também redução nas taxas operacionais.

O investidor qualificado tem à disposição uma gama de investimentos maior que o público em geral.

Alguns exemplos são os Fundos de Investimentos voltados ao exterior, CRIs e CRAs.

Geralmente estes investimentos costumam ter taxas de rentabilidade mais atrativas, possibilitando lucros maiores.

Em contrapartida, esses investimentos trazem riscos mais elevados.

Porém, como se entende que este investidor tenha maior conhecimento, ficará mais fácil de minimizá-los.

Riscos do Investidor Qualificado

Com as vantagens de acesso a investimentos mais rentáveis vêm também os riscos envolvidos nessas aplicações.

Os investimentos restritos aos investidores qualificados e profissionais costumam ter estruturas mais complexas, por isso é mais cautela na hora de escolher onde investir

Mas, o principal risco é em relação ao próprio conhecimento sobre o mercado e os ativos.

Ao se tornar um investidor qualificado, a CVM deduz que você possui conhecimento suficiente para montar um hedge de carteira e driblar os riscos.

Logo, se você não possui esse entendimento, pode se expor desnecessariamente a um risco elevado.

Classificação de investidores pela CVM

A Instrução nº 554/14 da CVM divide os investidores em três categorias:

  • Investidores profissionais;
  • Investidores qualificados;
  • Investidores de varejo.

Segundo a CVM, esta classificação tem como objetivo impedir que investidores com conhecimento restrito do mercado de capitais adquirem valores mobiliários complexos e assumam riscos que não condizem com sua realidade.

São considerados investidores profissionais aqueles que possuem mais de R$ 10 milhões em investimentos, além de instituições financeiras e agentes de mercado.

Investidores qualificados são os que possuem mais de R$ 1 milhão em investimentos ou foram aprovados em exame de certificação aceito pela CVM.

Já os investidores de varejo faz referência aos investidores “comuns”.

Qual a diferença entre um investimento qualificado e um investidor profissional?

O investidor qualificado costuma ser confundido com o investidor profissional.

Embora todo investidor profissional também seja um investidor qualificado, o contrário não é verdadeiro.

A principal diferença entre um investidor qualificado e um investidor profissional é o valor investido.

Enquanto o primeiro precisa ter mais de R$ 1 milhão aplicado, o segundo deve possuir mais de R$ 10 milhões.

Por conta deste montante, geralmente, os investidores profissionais são instituições financeiras, agentes autônomos de investimentos, analistas e consultores, entre outros.

O quadro abaixo resume as categorias conforme o estabelecido pela CVM:

CategoriaInvestidor
Investidores Qualificados– Investidores profissionais;
– Pessoas físicas que tenham sido aprovadas em exames de qualificação técnica ou possuam certificações aprovadas pela CVM como requisitos para o registro de agentes autônomos de investimento, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários, em relação a seus recursos próprios;
– Clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por um ou mais cotistas, que sejam investidores qualificados;
– Pessoas físicas ou jurídicas que detenham investimentos financeiros em valor superior a R$ 1 milhão.

Investidores Profissionais– Instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central;
– Companhias seguradoras e sociedades de capitalização;
– Entidades abertas e fechadas de previdência complementar;
– Fundos de investimento;
– Clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por administrador de carteira de valores mobiliários autorizado pela CVM;
– Agentes autônomos de investimento, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários autorizados pela CVM, em relação a seus recursos próprios;
– Investidores não residentes;
– Pessoas físicas ou jurídicas que detenham investimentos financeiros em valor superior a R$ 10 milhões.

Fonte: Anbima 

Produtos permitidos para cada tipo de investidor

Para proteger os interesses dos investidores alguns investimentos são restritos a determinada classe de investidores.

Dessa forma, o investidor comum não tem acesso a esses produtos.

Confira as restrições à negociação segundo a categoria de investidor:

Valores Mobiliários Tipo de Investidor
VarejoQualificadoProfissional
Oferta de notas promissórias sem prospectoNãoNãoSim
Cotas de FMIEENãoSimSim
Negociação de BDR Nível INãoSimSim
Cotas de FIDCNãoSimSim
FIDC com concentração relevante do patrimônio líquido em devedor que não disponibiliza informações financeiras completasNãoNãoSim
Cotas de FIPNãoSimSim
Cotas de FIDC-PIPSNãoSimSim
CRI com concentração relevante do risco de crédito em devedor que não disponibiliza informações financeiras completasNãoNãoSim
CRI não performadoNãoSimSim
CRI com pedido de registro sem a averbação do Termo de Securitização de CréditosNãoSimSim
CRI sem acompanhamento de agência de ratingNãoSimSim
Registro ProvisórioNãoSimSim
Cotas de FIDC-NPNãoNãoSim
Telas de acesso a sistemas de negociação de bolsa estrangeiraNãoSimSim
FII – Integralização de cotas em bens e direitos sem laudo, oferta sem prospecto e classes de cotas com direitos econômicos distintosNãoSimSim
Adquirir valores mobiliários em ofertas com esforços restritos de companhias abertas com ou sem registroNãoNãoSim
Negociar, em mercado secundário, valores mobiliários em ofertas com esforços restritos de companhias abertas com ou sem registroNãoSimSim

A CVM, juntamente com a Anbima, estudam liberar os BDRs para investidores não qualificados.

Dessa forma, pretende conferir maior flexibilidade a investimentos para que os investidores brasileiros possam diversificar seus portfólios.

Quer Investir em Boas Ações? Clique Aqui e Baixe Grátis o Relatório com as 3 Ações para Investir por 10 Anos.

Conclusão

Ser um investidor qualificado costuma ser muito vantajoso, já que esta classificação permite aproveitar mais oportunidades e alcançar ganhos mais elevados.

Segundo a instrução da CVM, um investidor qualificado é aquele que possui mais de R$ 1 milhão investidos e declara a si mesmo por escrito.

Ou ainda, possui alguma certificação aceita que comprove essa classificação.

Dessa forma terá um leque maior de investimentos à disposição para diversificar a carteira e obter retornos maiores.

Porém, antes de mais nada, é fundamental conhecer seu perfil de investidor.

Ele o guiará para na escolha das melhores opções de investimento de acordo com o seu objetivo e tolerância ao risco.

Este é um importante meio de evitar frustrações e prejuízos com suas aplicações.

Não conhece seu perfil? Então faça agora mesmo o teste de perfil de investidor online.

Avalie esse texto

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais