O que é NBER

NBER é uma instituição privada norte-americana e sem fins-lucrativos que atua na área de pesquisas econômicas e que possui uma grande relevância pro cenário mundial.

Atualmente a instituição conta com mais de 1550 colaboradores entre estudantes bolsistas do instituto e economistas renomados ganhadores do Nobel de economia.

O significado da sigla NBER é National Bureau Economic Research, o que em português pode ser entendido como “Escritório Nacional de Pesquisas Econômicas.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Origem da NBER

O instituto NBER foi fundado em 1920 em meio a um acalorado debate que tomava conta dos Estados Unidos a respeito de distribuição de renda.

Ou seja, de um lado havia aqueles, entre economistas formados, que defendiam projetos de distribuição de renda como um avanço no campo da economia.

E do outro lado, um grupo que argumentava que essas medidas seriam prejudiciais à saúde econômica do país e não possuíam base de sustentação teórica para serem defendidas. 

Nesse ambiente de controvérsia generalizada, duas figuras foram pivotais, Malcolm Rorty, um executivo da telecomunicação, e Nachum Stone, um economista socialista.

Por mais que ambos nutriam grande discordância a respeito de políticas econômicas, eles concordavam que havia poucos dados nos quais basear essas discussões.

Então, com o apoio de lideranças trabalhistas e empresariais, junto de economistas universitários interessados em entender melhor os fatos econômicos dos EUA, a NBER foi criada.

Os fundadores da instituição então recrutaram o professor da Universidade da Columbia, especialista em flutuações econômicas, Wesley Clair Mitchell, como diretor de pesquisas. 

Objetivos da NBER

Desde sua fundação, o principal objetivo da NBER sempre foi o de melhorar os dados econômicos a respeito principalmente dos EUA.

Seus membros contribuem com papers, organizando e estruturando pesquisas, coletando dados e a instituição então publica seus resultados no melhor formato possível, incluindo:

  • Livros;
  • Outros papers;
  • Seminários e conferências;
  • Projetos;
  • Programas;
  • Revistas.

Nos primeiros 10 anos da instituição 23 livros foram lançados explorando os mais diversos assuntos econômicos. 

Anualmente acontecem mais de 120 encontros presenciais, entre conferências, seminários e convenções onde pesquisadores compartilham seus últimos achados e lançam projetos.

Existe também o Summer Institute (Instituto de verão), que é uma conferência que acontece anualmente em Julho, com duração média de três semanas. 

Vale pontuar que a NBER é uma instituição sem fins-lucrativos que é financiada tanto pelo governo quanto por instituições privadas e colaboradores. 

E em virtude dessa característica, junto a razão de sua criação, a NBER se abstém de fazer qualquer recomendação econômica, mesmo se solicitada. Sua função é de apresentar dados.

Campo de atuação da NBER

Apesar das contribuições da NBER serem muito amplas e abarcar uma enorme quantidade de assuntos e campos de pesquisa, existem pelo menos quatro vertentes principais. Elas são:

  • Estudo e desenvolvimento de estatísticas diversas para uma melhor compreensão da evolução econômica de um país;
  • Estimação dos modelos de comportamento da economia, visando compreender as diferentes formas com os quais uma economia pode agir;
  • Avaliação dos efeitos causados pelas políticas públicas na economia, sempre se abstendo de tomar uma posição partidária em suas conclusões;
  • Projeção dos efeitos causados pelas políticas alternativas, principalmente aquelas advindas de instituições privadas.

O papel da NBER no mundo

Apesar da NBER ter sido criada dentro dos EUA e servir primeiramente para estudar a economia norte-americana, hoje sua contribuição já alcança uma importância mundial.

Os estudos e achados associados à NBER beneficiam a economia mundial, ajudando a entender o que está acontecendo no mundo, tanto as coisas positivas quanto negativas.

Inclusive, a NBER ficou bastante conhecida por conseguir prever com uma precisão melhor que o mercado financeiro o fim de períodos de recessão, como foi com a crise de 2008.