A Natura (NTCO3) e a The Body Shop lançaram um programa de logística reversa em suas lojas. A cada cinco embalagens vazias das marcas, os clientes recebem um novo produto.

As lojas da Natura receberão ainda produtos de qualquer uma das quatro marcas do grupo Natura &Co: Avon, Natura, The Body Shop e Aesop.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa

A iniciativa é uma parceria com a TerraCycle, empresa especializada em soluções de reciclagem. Para ganhar o brinde, não contam embalagens de amostras e frascos em miniatura.

O programa, por enquanto, é um investimento da Natura &CO e não gera receita para o grupo. A TerraCycle, contratada pela Natura, recolherá as embalagens e será responsável por todo o processo de reciclagem.

Os materiais reciclados serão transformados em vasos de plantas, cones de trânsito, caixas para legumes e vegetais, entre outros utensílios. Mas, com o tempo, há a intenção de expandir a iniciativa, inclusive para as consultoras e revendedoras.

Ao ganhar escala, o projeto pode, inclusive, fornecer mais embalagens de plástico reciclado para a empresa.

A diretora global de sustentabilidade da Natura, Denise Hills, lembra que a empresa já usa plástico reciclado e biodegradável em sua cadeia produtiva.

E afirma que esse processo de logística reversa é mais uma forma de engajar o consumidor nos valores da empresa, sem o foco de gerar receita direta.

"Temos o desafio de fazer (a logística reversa) em larga escala", diz.

Para o coordenador do MBA em gestão empresarial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Ricardo Teixeira, o desafio da logística reversa é exatamente isso, tornar-se financeiramente viável por meio de escala.

"Existe ganho de imagem para a marca, mas isso não é mensurável em termos financeiros. Hoje, a única maneira de tornar esse processo rentável é a escala", explica.

Ele diz, porém, que a preocupação com a sustentabilidade, diminuição de resíduos e impacto social já é realidade para o consumidor.

"É irreversível. Já era uma tendência, mas se acentuou com a pandemia", diz.

A vice-presidente de varejo de Natura &Co, Paula Andrade, disse que a companhia investiu na estrutura para comunicar a ação e receber os recipientes, mas que, mesmo sem uma iniciativa clara, as lojas já recebiam as embalagens e destinavam para reciclagem quando os clientes levavam voluntariamente até esses estabelecimentos.

"Queremos, claro, expandir o projeto para as franquias. Mas, por enquanto, não colocamos uma meta de embalagens a serem recolhidas", diz.

Ela conta que, durante esse período de retomada, a Natura viu em suas lojas reabertas um fluxo menor de pessoas e um cliente mais assertivo, que já vai à loja sabendo o que quer comprar.

Resultado da Natura&Co no Segundo Trimestre de 2020

O resultado da Natura&Co (NTCO3) no segundo trimestre de 2020 (2t20), divulgado no dia 13 de agosto, apresentou um prejuízo líquido de R$ 365,4 mil, contra um lucro líquido de R$ 55,9 milhões em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda da Natura atingiu R$ 615,2 milhões no 2t20, apresentando retração de 42,2% na comparação com o 2t19.

A margem ebitda foi de 8,8% no 2t20, uma retração de 4,5 p.p. quando comparado ao 2t19.

Já a margem líquida da Natura atingiu -5,6% no 2t20, apresentando retração de 7,2 p.p. na comparação com o 2t19.

As ações da Natura (NTCO3) acumulam queda de 3,46% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 64,63% nos últimos 12 meses.

Fonte: Estadão Conteúdo.