O que é multiplicador monetário

Multiplicador monetário é uma ferramenta utilizada pelos bancos com o objetivo de ampliar a oferta de moeda na economia.

Na prática, os bancos podem emprestar mais recursos do que efetivamente possuem, fazendo uso dos depósitos de seus clientes para isso, desde que dentro dos limites de depósito compulsório do Banco Central.

A permissão concedida aos bancos para que estes movimentem e utilizem parte dos recursos depositados para concessão de empréstimos e financiamentos é um artifício para movimentar e fomentar a economia.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o multiplicador monetário

Para facilitar o entendimento a respeito do multiplicador monetário, vamos a um exemplo prático:

  • João, decidiu depositar R$ 1.000,00 no Banco XYZ;
  • Marcos solicitou um empréstimo ao Banco XYZ.

Após receber o pedido de Marcos por um empréstimo, o Banco XYZ aprovou a sua concessão, fazendo uso de parte dos recursos depositados por João para financiar a operação.

O Banco concedeu a Marcos, R$ 800,00 em empréstimo, reservando 20% do valor que João havia depositado a título de depósito compulsório, uma espécie de reserva para emergências.

Mas, o que aconteceria se João resolvesse sacar os R$ 1.000,00 que havia depositado? 

Na prática, João conseguiria sacar todo o valor disponível na sua conta, afinal, o banco poderia utilizar recursos depositados por outros clientes para cobrir o valor que foi utilizado.

Vale destacar que os bancos realizam milhares de operações com base no princípio de multiplicador monetário diariamente.

Riscos do multiplicador monetário

Como toda e qualquer operação envolvendo recursos financeiros, o multiplicador monetário tem um pequeno risco:

Caso um evento adverso aconteça, levando boa parte da população a retirar simultaneamente seus recursos dos bancos, faltaria dinheiro para atender a todos os pedidos de saque.

Na prática, como parte dos recursos estão em circulação na economia por meio de empréstimos e financiamentos, faltaria dinheiro nos caixas eletrônicos.

Fenômenos como esse costumam acontecer em raras ocasiões e apenas em países com hiperinflação e problemas econômicos e sociais que por qualquer razão leve a uma corrida até os bancos.

Como calcular o multiplicador monetário

Para calcular e encontrar o valor do multiplicador monetário, deve-se utilizar a seguinte fórmula:

M = 1 / R

Onde:

M = Próprio multiplicador monetário;

R = A taxa do depósito compulsório.

Com base na fórmula acima, é possível concluir que o multiplicador monetário aqui no Brasil, por exemplo, é correspondente a 5, veja:

M = 1 / 0.20 

M = 5

Com base nesse resultado, temos que cada R$ 1.000,00 depositados no banco são transformados em R$ 5.000,00 após a aplicação do multiplicador monetário.

Multiplicador monetário e depósito compulsório

O depósito compulsório é um instrumento de controle do Banco Central que regula o multiplicador financeiro, impedindo por exemplo, que os bancos empreguem a totalidade dos depósitos para conceder empréstimos e financiamentos.

Atualmente o Banco Central do Brasil determina que os bancos mantenham ao menos 20% dos recursos depositados por clientes no depósito compulsório. 

Na prática, a cada R$ 1.000,00 reais depositados, R$ 200,00 reais devem ficar reservados no depósito compulsório.

Em situações normais, o percentual é suficiente para manter o equilíbrio entre as operações de depósito e saque no sistema bancário.

Multiplicador monetário e a economia

Vale destacar que o multiplicador monetário pode ser um importante fator de estímulo para a economia, principalmente em momentos de crise econômica.

Em graves crises econômicas, o Banco Central pode autorizar a redução do depósito compulsório, fato que estimula os bancos a conceder mais crédito ao mercado, fazendo o dinheiro circular na economia.

De forma semelhante, o Banco Central pode aumentar o percentual do depósito compulsório, reduzindo a concessão de crédito e o montante de recursos em circulação, como alternativa para frear problemas econômicos, como a inflação, por exemplo.