O que é Modelo de Gordon

Modelo de Gordon é uma técnica utilizada para determinar o valor intrínseco de uma ação com base em uma série futura de dividendos que crescem a uma taxa constante. 

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

O método de cálculo e precificação de ações leva esse nome pois um dos seus desenvolvedores e idealizadores foi o economista e professor Myron J. Gordon.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona o Modelo de Gordon

O modelo de Gordon assume que os dividendos crescem a uma taxa constante ao longo dos anos e como base nisso se permite encontrar o valor presente da série infinita de dividendos futuros.

A princípio pode parecer perigoso presumir que algo seja constante no mercado de ações, sobretudo na análise de pequenas empresas.

O risco da presunção aplicada ao método de Gordon faz com que seja mais comum aplicar esse método apenas para empresas com taxas de crescimento estáveis ​​em dividendos por ação.

Para efeitos de cálculo o modelo de Gordon utiliza três informações, são elas:

  • Dividendos por ação; 
  • Taxa de crescimento;
  • Taxa de desconto.

Através dessas variáveis, Gordon construiu um modelo que tenta calcular o valor justo de uma ação, independentemente das condições de mercado na qual ela pode estar ou vir a ser inserida no futuro.

Sendo assim, se o valor obtido com o modelo for superior ao preço de negociação atual das ações, então a ação é considerada subvalorizada, sendo portanto qualificada como uma oportunidade de compra.

Da mesma forma, se o valor obtido for inferior ao preço de negociação atual das ações, então a ação em questão é considerada supervalorizada, sendo portanto qualificada como uma oportunidade de venda.

A expressão matemática para encontrar o preço justo das ações, segundo o modelo de Gordon, é a seguinte:

Preço = Dividendos por ação / (K – G)

Onde,

  • Dividendos por ação: o dividendo por ação esperado nos próximos doze meses;
  • K: a taxa de desconto que um investidor deveria esperar desta ação;
  • G: a taxa de crescimento dos dividendos na perpetuidade.

Como funciona o Modelo de Gordon na prática

Para facilitar o entendimento e a compreensão em relação ao modelo de Gordon, vamos a um exemplo prático:

Em nosso exemplo, a empresa XYZ pagará R$ 2,00 em dividendos por ação nos próximos 12 meses, enquanto que o retorno esperado pelo investidor sobre a empresa é de 20% e o crescimento esperado para os dividendos será de 4% ao ano.

Com base nessas informações é possível calcular o modelo de Gordon e encontrar o valor real intrínseco do ativo segundo o idealizador da metodologia.

Sendo assim:

Preço = R$ 2,00 / (20% - 4%)

Preço = R$ 2,00 / 0,16

Preço = R$ 12,50

Sendo assim, com base no modelo de Gordon, pode-se concluir que o valor intrínseco das ações da empresa em questão é de R$ 12,50.

Quais as limitações do Modelo de Gordon

A principal limitação do modelo de Gordon reside em sua suposição de crescimento constante em dividendos por ação. 

É muito raro e praticamente impossível que empresas apresentem crescimento constante em seus dividendos.

Investidores experientes sabem que qualquer tipo de presunção no mercado de ações não passa de uma simples especulação, logo, não é possível confiar com precisão nos resultados apresentados pelo modelo.

Outra limitação importante diz respeito à própria expressão matemática desenvolvida pelo professor e economista Myron J. Gordon.

Ao analisar o modelo de Gordon, pode-se perceber que se a taxa de desconto exigida for menor que a taxa de crescimento dos dividendos por ação, o resultado é um valor negativo e inválido.

Semelhantemente se a taxa de crescimento dos dividendos por ação e a taxa de desconto forem iguais, o resultado do cálculo será incoerente.