O que é mercado primário

Mercado primário é o ambiente da Bolsa de Valores onde as empresas abrem o seu capital, colocando ações à disposição dos investidores.

Quando uma empresa decide abrir o seu capital na Bolsa de Valores, suas ações são lançadas no mercado primário através de um IPO - Initial Public Offering ou simplesmente Oferta Pública de Ações.

Por meio da oferta pública de ações no mercado primário os investidores interessados podem comprar ações da empresa que naquele momento está abrindo o seu capital.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Diferenças entre mercado primário e secundário

Como destacado anteriormente, o mercado primário é um local onde os investidores podem comprar ações diretamente das empresas. No entanto, esse não é o único mercado disponível na Bolsa de Valores.

Além do mercado primário, temos também o mercado secundário. No mercado secundário os investidores não compram ações diretamente das empresas emissoras, mas sim de outros investidores.

Por sinal, é no mercado secundário que acontece o maior número de negociações de um pregão da Bolsa de Valores.

Para facilitar o entendimento sobre o assunto, veja como funciona o mercado primário na prática:

Em meio ao processo de abertura de capital da empresa XYZ, o investidor João, participou do período de reservas adquirindo 100 ações diretamente da empresa em questão, ou seja, no mercado primário.

No entanto, algum tempo após a estreia da empresa XYZ na Bolsa de Valores, João decidiu vender as suas ações para Marcos.

Sendo assim, temos dois momentos importantes a destacar:

  • João comprou ações diretamente da empresa emissora: Mercado Primário;
  • Marcos comprou ações que estavam em poder de João: Mercado Secundário.

Na prática, sempre que uma ou mais ações são negociadas entre investidores temos uma transação no mercado secundário.

Por sua vez, sempre que a transação ocorre entre a empresa emissora e um investidor, temos uma transação no mercado secundário. 

Como comprar ações no mercado primário

Para comprar ações no mercado primário, o investidor precisa ficar atento ao calendário de ofertas públicas da Bolsa de Valores, divulgado pela B3.

As ofertas públicas contam com período pré-definido para que investidores demonstrem interesse na compra de ações diretamente das empresas.

Por sua vez, após o período definido para reserva de ações no mercado primário, as ações passam a ser negociadas no mercado secundário de forma aberta a todos os investidores.

  • Empresa XYZ demonstra interesse em abrir o seu capital na Bolsa de Valores;
  • A empresa protocola o seu interesse e envia uma série de documentos para análise da CVM - Comissão de Valores Mobiliários;
  • Caso cumpra os requisitos para abertura de capital, a empresa é autorizada a listar ações na Bolsa de Valores;
  • Um prospecto é divulgado no mercado, com informações a respeito da abertura de capital;
  • Inicia-se o período de reservas, onde investidores interessados podem comprar ações antes mesmo da sua estreia na Bolsa de Valores;
  • Após o período de reservas, as ações são finalmente listadas abertamente na Bolsa.

O cumprimento de todas essas etapas é fundamental para a precificação das ações e também para verificação quanto ao cumprimento dos requisitos para uma empresa ser listada na Bolsa de Valores.

Vale destacar, que em geral, as ações negociadas no mercado primário contam com um desconto, ou seja, valor inferior ao que se espera negociar no mercado secundário.

Em muitos casos, também é exigido um montante mínimo para investimento durante ofertas iniciais, ou seja, no mercado primário.

Vale a pena investir no mercado primário

Muitas pessoas se perguntam se vale a pena investir no mercado primário. No entanto, não existe um consenso pacificado sobre o assunto.

Por um lado, temos aqueles que acreditam que o mercado primário pode ser uma excelente oportunidade para obter bons lucros com a compra de ações teoricamente descontadas.

Por outro lado, temos os que preferem não participar de processos de IPO, devido ao seu maior risco com base principalmente na imprevisibilidade de aceitação das ações no mercado secundário.