O que é mercado interfinanceiro

Mercado interfinanceiro é o ambiente onde as instituições financeiras movimentam e negociam recursos entre si, concedendo ou contratando empréstimos, normalmente de curto prazo.

Em geral, os empréstimos e movimentações realizadas no mercado mercado interfinanceiro tem por objetivo aplicar excessos momentâneos de disponibilidades ou captar recursos para suprir eventuais necessidades de caixa.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Depósito no mercado interfinanceiro

Negociado entre instituições financeiras, o depósito interfinanceiro, também conhecido como DI, é um título privado de renda fixa, empregado para o equilíbrio e fechamento diário do caixa dos bancos.

Vale destacar, que o depósito interfinanceiro funciona exclusivamente entre as instituições financeiras, não podendo, portanto, ser vendido ou negociado no mercado.

Os depósitos negociados no mercado interfinanceiro não possuem incidência de impostos sobre a sua rentabilidade, contam com elevada liquidez e baixíssimo risco.

Os empréstimos ou depósitos interbancários são negociados através da Taxa DI, que por sua vez, funciona como referência de rentabilidade para boa parte dos títulos de renda fixa comercializados no mercado.

A Taxa DI pode ser obtida por meio da média ponderada das taxas cobradas nas operações realizadas no mercado interfinanceiro

As transações no mercado interfinanceiro são realizadas por meio eletrônico e registradas na B3.

Mercado interfinanceiro e CDI

Os depósitos realizados em meio ao mercado interfinanceiro são popularmente conhecidos como Certificado de Depósito Interfinanceiro ou CDI entre os investidores.

O CDI é uma das principais taxas utilizadas pelos bancos para remunerar investidores que aplicam recursos em títulos de renda fixa, como por exemplo:

  • CDB - Certificado de Depósito Bancário;
  • LCA - Letras de Crédito do Agronegócio;
  • LCI - Letras de Crédito Imobiliário;
  • Dentre outros.

Sendo assim, sempre que encontramos um título de renda fixa oferecendo por exemplo 90% do CDI, podemos afirmar que a remuneração a ser paga ao investidor, corresponderá a 90% do resultado da DI no período.

Mercado interfinanceiro e Selic

Como destacamos anteriormente, a Taxa DI é utilizada no mercado interfinanceiro para remunerar operações de curto e curtíssimo prazo realizadas exclusivamente entre instituições financeiras.

Na prática, esse tipo de operação tem por objetivo impedir que um banco encerre o seu caixa diário com saldo negativo, devido a um grande volume de saídas (empréstimos e saques).

A saber, as instituições financeiras estão legalmente proibidas pelo BACEN - Banco Central do Brasil de encerrar o caixa diário negativo.

Essa medida é uma ferramenta de proteção aos bancos e ao próprio mercado financeiro instituída pelo Banco Central.

Sabendo que essas operações possuem prazo curto e risco praticamente nulo, as instituições financeiras costumam acordar entre elas, remuneração ou taxa de juros muito próxima à taxa Selic.

Mercado interfinanceiro e economia

A taxa Selic é considerada a taxa básica de juros da economia, sendo assim, todas as demais operações envolvendo taxas de juros precisam levar obrigatoriamente em consideração a Selic.

Desta forma, a DI utilizada no mercado interfinanceiro costuma caminhar sempre muito próxima, ou seja, praticamente igualando a Selic vigente.

Na prática, uma Selic elevada significa custos maiores para os bancos captarem recursos não somente no mercado interfinanceiro, como também fora dele.

É exatamente essa variação de taxas, que faz com que em determinados momentos os títulos de renda fixa ofereçam remunerações mais atrativas que em outros.

Vale destacar, que a Selic e consequentemente a DI, funcionam como uma ferramenta para estimular ou desacelerar a economia, visto que ambas influenciam diretamente na taxa de juros praticada no mercado em geral.

Quanto maior a Selic, mais alta a DI e consequentemente, mais altos os juros cobrados pelos bancos em operações de empréstimos e financiamentos, fato que reduz o volume de moeda em circulação segurando a inflação e a economia.

Por outro lado, quanto menor a Selic, menores os juros praticados no mercado interfinanceiro e no mercado em geral, fato que aumenta o volume de moeda em circulação acelerando o consumo e a inflação.