O Méliuz (CASH3) anunciou nesta sexta-feira, 20, uma parceria com a Liqi, fintech de ativos digitais em blockchain.

O objetivo, segundo comunicado ao mercado, é tornar a operação em criptomoedas da companhia ainda mais robusta e envolve potencial aquisição minoritária da Liqi, condicionada a performance de alguns indicadores.

"Com o acordo, o Méliuz passa a ganhar em liquidez na transação com criptomoedas, já que passa a ter acesso a compra de bitcoins em uma nova exchange, aumentando a facilidade de comprar e vender a criptomoeda no mercado, além de ampliar o portfólio de serviços, gerando ainda mais oportunidades de engajamento e de cross sell com sua base de mais de 23 milhões de contas cadastradas", afirma a empresa.

Segundo o anúncio, utilizando tecnologia em blockchain combinada com a segurança digital, a Liqi transforma ativos e negócios em frações digitais, chamadas de Tokens, para que se tornem mais acessíveis, aumentando a liquidez para diferentes tipos de ativos.

A Liqi possui um ano de existência, já realizou o lançamento da corretora própria e recebeu um aporte de R$ 27,5 milhões, liderado pelo Kinea Investimentos, Corporate Venture Capital do Itaú Unibanco, e outros novos sócios da startup.

Resultado da Méliuz no Primeiro Trimestre de 2022

resultado da Méliuz (CASH3) no primeiro trimestre de 2022 (1t22), divulgado no dia 11 de maio, apresentou um prejuízo líquido de R$ 6,5 milhões no 1T22, baixa de -316,9% em relação ao mesmo período de 2021.

Ebitda do Méliuz atingiu um prejuízo de R$ 17,1 milhões no 1T22, apresentando retração de -448,9% na comparação com o 1T21.

margem Ebitda do Méliuz totalizou -19,0% no 1T22, apresentando retração de -28,5 pontos percentuais na comparação com o 1T21.

margem líquida do Méliuz atingiu -7,3% no 1T22, apresentando retração de -13,1 pontos percentuais na comparação com o 1T21.

As ações da Méliuz (CASH3) acumula alta de 8,38% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e queda de 63,79% nos últimos 12 meses.

Fonte: Estadão Conteúdo.