O que é Maldição do Conhecimento

Maldição do Conhecimento é o termo utilizado para se referir à tendência que pessoas com maior grau de instrução têm de utilizar termos muito técnicos ou acadêmicos para se comunicar com pessoas que possuem um conhecimento inferior

Basicamente, ela representa um viés comportamental que impossibilita uma comunicação eficiente entre duas pessoas, e é ocasionada por suposições equivocadas e despropositais acerca do conhecimento de terceiros. 

Também conhecida como Curse of Knowledge, ela é vivenciada muitas vezes em nosso cotidiano: conversando com médicos, professores universitários e analistas da bolsa de valores é muito comum não entender os termos utilizados.

Essa situação é fruto da Maldição do Conhecimento, visto que esses profissionais muitas vezes nem ao menos se dão conta de que estão se comunicando de forma pouco efetiva.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Características da Maldição do Conhecimento

A Maldição do Conhecimento pode ser caracterizada como um viés cognitivo, ou seja, um erro sistemático de interpretação do mundo ao redor. Existem inúmeros vieses cognitivos, como o viés de confirmação e o viés de egoísmo.  

A ocorrência específica da Maldição do Conhecimento está atrelada ao viés da retrospectiva e a pressupostos equivocados acerca do conhecimento disposto por terceiros. 

Com isso, vemos que ela é ocasionada por uma discrepância no nível de capacitação entre indivíduos, e quanto maior a diferença, mais fácil que a Maldição do Conhecimento se faça presente. 

Ademais, ela é realizada involuntariamente, ou seja, não ocorre de propósito e as pessoas não percebem a dissonância do que está sendo dito para o que está sendo compreendido. 

Portanto, quando pessoas utilizam-se de termos técnicos para demonstrar que sabem mais ou para constranger outras pessoas, a situação não pode ser classificada como consequência da Maldição do Conhecimento. 

Origem da Maldição do Conhecimento 

A origem da Maldição do Conhecimento está atrelada à dificuldade que os seres humanos possuem em se colocar no lugar do próximo e até mesmo no seu próprio lugar devido às suas emoções momentâneas. 

Isso porque, na Maldição do Conhecimento, a condição fundamental para a ocorrência é um erro por parte do transmissor de informação, ocasionado por sua dificuldade de se colocar no lugar do próximo na hora de estabelecer um discurso. 

Entretanto, como dito anteriormente, a ocorrência disso não é proposital. Ela se dá devido à tendência que o ser humano possui de reinterpretar e editar eventos passados após seu acontecimento. 

Isso faz com que o cérebro molde o passado para a realidade presente, mas de forma distorcida, pois ele faz com que os acontecimentos se encaixem com a realidade que vivemos. 

Assim, não conseguimos nos colocar no lugar do próximo que não possui tanto conhecimento de forma adequada, visto que nosso cérebro não permite nem ao menos que nos coloquemos em nosso próprio lugar de maneira correta. 

Por isso, a maior causa da maldição do conhecimento é justamente a dificuldade de empatia do ser humano, causada pelo viés da retrospectiva. 

Consequências da Maldição do Conhecimento

Como consequência da Maldição, temos uma baixa efetividade da comunicação entre diferentes pessoas. 

Ao serem utilizados termos que não fazem parte da realidade de terceiros, é comum que a atenção das pessoas seja desviada devido à falta de capacidade de compreensão do tema abordado. 

Com isso, o que se vê são conversas falhas, apresentações entediantes e uma baixa efetividade na comunicação entre dois ou mais indivíduos. 

Além disso, outra consequência negativa da Maldição do Conhecimento é a tomada de decisão errada por parte da pessoa que está ouvindo as informações passadas.

Por exemplo, imagine um investidor leigo conversando com um analista de ações da B3

Por mais que o investidor se esforce, caso o profissional do mercado financeiro utilize-se de termos que o investidor não conhece, de nada será efetiva a comunicação. 

Isso pode acarretar em diversas escolhas equivocadas ou que não condizem com a realidade do investidor, o que pode lhe acarretar posterior prejuízo ou insatisfação com os resultados obtidos.