Os investidores perderam mais de US$ 10 bilhões para criminosos em plataformas de finanças descentralizadas (DeFi) este ano.

De acordo com relatório da Elliptic, empresa que rastreia movimentos de fundos nos livros digitais que sustentam as criptomoedas, as perdas gerais causadas por exploits, ataques que se aproveitam de vulnerabilidades em aplicativos, DeFi totalizaram US$ 12 bilhões até agora em 2021.

Fraude e roubo corresponderam por US$ 10,5 bilhões dessa quantia, um aumento de sete vezes em relação ao ano passado.

Os produtos DeFi visam replicar serviços financeiros tradicionais usando a tecnologia blockchain.

Embora sejam vistos como o "futuro das finanças", a indústria ainda é muito jovem e as plataformas não são regulamentadas.

“O ecossistema DeFi é um espaço incrivelmente empolgante e veloz, com inovação em serviços financeiros acontecendo na velocidade da luz”, disse Tom Robinson, cientista-chefe da Elliptic.

“Isso está atraindo grandes quantidades de capital para projetos que nem sempre são robustos ou bem testados. Os criminosos viram a oportunidade de explorar isso”.

Nos últimos dois anos, o montante total de dinheiro depositado nos serviços DeFi aumentou de US$ 500 milhões para US$ 247 bilhões.

Mas, à medida que o mercado cresceu em tamanho, também aumentou o nível de atividade ilícita. 

No início deste ano, a plataforma DeFi Poly Network perdeu mais de US$ 600 milhões no que foi, o maior roubo de criptomoedas de todos os tempos. 

Em uma reviravolta bizarra, os fundos foram posteriormente devolvidos pelos hackers que alegaram ter explorado a rede apenas para destacar as falhas em seu sistema.

Também ocorreram os chamados "puxões de tapete", em que os golpistas convencem os investidores a comprar seu token e depois decolar com os fundos após levantar uma determinada quantia, como aconteceu com o token inspirado em Round 6.

O problema, dizem os especialistas, é que os serviços DeFi geralmente se comercializam como descentralizados, quando nem sempre é esse o caso.

A Força-Tarefa de Ação Financeira, um órgão de vigilância global contra a lavagem de dinheiro, lançou recentemente uma orientação revisada sobre criptomoedas, pedindo aos países que identifiquem indivíduos com “controle ou influência suficiente” sobre os programas DeFi.

Fonte: CNBC

Qual Criptomoeda Comprar Hoje? Baixe Grátis o Relatório da Criptomoeda Promissora para 2022".