O primeiro encontro entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, transcorreu em clima cordial, disse nesta quarta-feira (27) o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

Segundo o titular da Fazenda, Lula combinou reuniões periódicas com Campos Neto daqui para a frente.

A reunião foi excelente, uma reunião de trabalho, muito boa, muito produtiva, cordial. A conversa transcorreu muito bem”, disse Haddad, que participou do encontro, ao retornar ao Ministério da Fazenda.

Com uma hora de atraso, a reunião começou por volta das 18h30 e acabou por volta de 19h45.

Essa foi o primeiro encontro entre Lula e Campos Neto desde que o presidente da República tomou posse.

A conversa ocorreu por iniciativa do presidente do BC e foi mediada por Haddad, que se reúnem em média uma vez a cada 45 dias.

Classificando a conversa “de alto nível”, Haddad disse que o encontro serviu para construir relações.

Como Investir no Cenário Econômico Atual? Veja a Melhor Ação de Dividendos Hoje.

Foi um encontro institucional, de construção de relação, de pactuação em torno de conversas periódicas", disse.

Sobre uma possível conversa em relação aos juros básicos, objeto de críticas públicas de Lula a Campos Neto desde o início do ano, o ministro desconversou e disse que os dois não trataram de tópicos específicos.

O presidente [Lula] deixou claro o respeito que tem pela instituição [Banco Central]. A reciprocidade foi muito boa da parte do Campos Neto”, limitou-se a dizer o ministro.

Como Investir no Cenário Econômico Atual? Veja a Melhor Ação de Dividendos Hoje.

No início do ano, Lula e Campos Neto tiveram uma relação tensa, com o presidente da República criticando a demora do Banco Central em baixar a Taxa Selic (juros básicos da economia), que ficou em 13,75% ao ano entre agosto de 2022 e agosto deste ano e atualmente está em 12,75%.

Em junho, Lula tinha classificado de “irracional” o nível dos juros.

A crítica mais recente ocorreu no início deste mês. Em evento em Fortaleza, o presidente afirmou que ia “continuar brigando” para os juros caírem.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Fonte: Agência Brasil.