O que é Livre Mercado

Livre Mercado é um modelo econômico que está atrelado às correntes liberais e neoliberais de pensamento.

Entre os principais teóricos sobre o tema, se destacam Adam Smith e Ludwig von Mises.

É importante salientar que também pode ser denominado como Economia de Mercado, ou Sistema de Livre Iniciativa.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Livre Mercado e os seus significados

A base do Livre Mercado, no fim das contas, é a ideia de que oferta e demanda irão definir a economia, e consequentemente o preço dos produtos.

A liberdade se torna o seu eixo central, já que são os indivíduos e as empresas que definem o que será produzido e consumido pela sociedade.

Várias vezes, o vocábulo Livre Mercado acaba sendo atrelado à política do capitalismo de Laissez-Faire, que afirma que todas as transações financeiras são de caráter privado.

Todavia, é possível usar o termo com um significado um pouco mais amplo ao nos referirmos a um mercado em que as atividades acabam sendo voluntárias.

Por conta disso, o Socialismo Voluntário e Laissez-Faire se mostram com excelentes exemplos de Livre Mercado, apesar do primeiro citado não apresentar natureza privada.

Funcionamento do Livre Mercado

Em relação ao Livre Mercado, é importante ressaltar que não há controle ou regulações sobre ele.

Ou seja, as companhias acabam concorrendo de maneira ampla entre si, isso inevitavelmente leva a dois resultados de grande importância: a rápida evolução tecnológica e diminuição dos preços.

Outrossim, isso acaba sendo vital para atrair a preferência dos consumidores, para no fim das contas escolher entre qualquer fornecedor disponível.

Vale ressaltar que, em relação à visão de Mises, o Livre Mercado proporciona um sistema para os preços dos produtos se autorregular.

Ou seja, os preços dos produtos chegam a uma boa posição sem intervenção alguma por conta da ampla concorrência.

Por conta disso, o capital se distribui da melhor forma na economia.

Sendo assim, os consumidores conseguem determinar quais serão seus fornecedores e determinam o que e quanto querem comprar.

No fim das contas, essa demanda definirá qual será a oferta de produtos e serviços, e isso consequentemente leva à ausência ou eclosão de vários segmentos do mercado.

Principais limitações do Livre Mercado

Algumas das principais limitações do Livre Mercado advém de origens políticas. Entre elas, destacam-se:

  • A proibição da negociação de alguns produtos e serviços oferecidos;
  • A tributação imposta;
  • Regulações que surgem para atuar em alguns segmentos;
  • Fixação de preços ou parâmetros de precificação;
  • Competição com outros serviços públicos;
  • As normas que regem as relações trabalhistas.

Essas limitações impostas no Livre Mercado servem para evitar vantagens injustas na concorrência e proteger outros grupos de consumidores ou empregados.

Sendo assim, na maioria das vezes o caminho que muitos encontram para vencer as limitações é por meio do lobby.

Por sua vez, quando as limitações acabam sendo violadas, há o surgimento de um mercado negro.

Índices do Livre Mercado

Como dito anteriormente, não existe uma economia de Livre Mercado pura, porém diferentes graus de liberdade.

Sendo assim, para medir esses graus foram criados alguns índices, os quais são:

  • Index of Economic Freedom, da Heritage Foundation;
  • Index of Economic Freedom of the World, do Fraser Institute;
  • Index of Economic Freedom of North America, do Fraser Institute.

Esses índices avaliam, no fim das contas, a segurança dos direitos da propriedade, o peso da regulação e a abertura dos mercados financeiros em um país.

Livre Mercado e o Mercado Financeiro

O mercado financeiro acaba possuindo um papel de grande importância em nosso país, onde impera o Livre Mercado.

O que possibilita uma maior facilidade para obter os recursos que necessitam sem a ajuda do Governo.