O que é Liberalismo Econômico

Liberalismo Econômico é uma doutrina político-econômica que defende a não-intervenção estatal na economia, de modo que o mercado possa ser livre para se regular sozinho.

O Liberalismo está relacionado com as ideias de lei da oferta e procura, Laissez Faire, mão invisível do mercado e propriedade privada. Nesse sentido, o Estado deve se abster da economia pois sua atuação atrapalharia o bom andamento do mercado.

A partir dessa lógica de autorregulação, haveria uma harmonização das trocas comerciais e a priorização da liberdade individual, assim como dos direitos individuais e da igualdade perante a lei. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Origem do Liberalismo Econômico

A ascensão do Liberalismo Econômico se deu a partir do momento em que a burguesia tomou o poder, tendo como principais marcos históricos a Revolução Industrial na Inglaterra (a partir de 1760) e a Revolução Francesa (1789).

Antes disso, o Liberalismo já existia como ideologia e muitos teóricos defendiam que a intervenção do Estado na economia não era eficiente. Os principais representantes dessa corrente são Adam Smith (1723-1790) e David Ricardo (1772-1823).

Esses autores, assim como os demais teóricos liberais, posicionavam-se ideologicamente contra o regime vigente na época, o mercantilismo, principalmente por conta dos obstáculos que este representava para o surgimento do capitalismo moderno.

Isso significa que eles eram contra as ideias de proteção comercial, ao sistema de monopólios, às corporações de ofício e à regulamentação na produção.

Para Adam Smith, os interesses individuais eram os principais responsáveis por fazer a economia se movimentar.

Isto porque os indivíduos responsáveis por vender um produto estavam interessados no próprio lucro a partir da venda, assim como os indivíduos que compravam o produto estavam interessados na sua funcionalidade.

Essa lógica funcionaria, também, para a lei da oferta e procura, que é utilizada até hoje na bolsa de valores, por exemplo.

Ela consiste na ideia de que os preços são definidos a partir da relação entre o quanto um produto é desejado por compradores dispostos a pagar um valor (procura) e o quanto um produto é disponibilizado pelo mercado por um preço (oferta).

Dessa forma, Adam Smith, considerado o pai do Liberalismo, defendia que o mundo seria mais justo, racional e eficiente sem os monopólios do Estado e sem as limitações que as regulamentações impõem sobre as relações econômicas.

A sua obra mais famosa, conhecida como “A Riqueza das Nações” (1776), é até hoje uma referência para os estudos da economia e do pensamento liberal. 

Características do Liberalismo Econômico 

O Liberalismo Econômico gira, principalmente, em torno das seguintes características político-econômicas:

  • A não intervenção do Estado na economia: é o fator defendido mais fortemente pelos teóricos liberais, visto que, na visão deles, o Estado apenas atrapalha o processo natural da economia e deveria ter seu papel reduzido;
  • Estado Mínimo: para que haja o mínimo de interferência possível, o Estado deve ficar responsável somente por serviços de utilidade pública e garantindo condições favoráveis para o bom funcionamento do mercado.
  • A política do Laissez Faire e da mão invisível do mercado: ambos relacionados com a ideia de livre mercado e com a defesa de que a economia tem a capacidade de se regular sozinha por meio da busca pelos interesses individuais.
  • Livre concorrência: a defesa de que as empresas deveriam ter liberdade para produzir, precificar e qualificar os produtos da maneira que desejarem, uma vez que isso seria ajustado de acordo com a lei da oferta e procura.
  • Defesa da liberdade, dos direitos individuais e da igualdade perante a lei: o indivíduo e o mercado são os grandes focos do liberalismo. Assim, há o argumento de que todo o indivíduo deveria ser livre para lucrar a partir das suas ações e méritos. 

Todas essas características que definem os princípios do Liberalismo existem para defender o que é por eles considerado o elemento central da vida em sociedade: a economia e a liberdade individual.