O que é Lei de Say

Lei de Say é uma teoria econômica que estabelece uma relação entre o preço dos produtos e serviços com a demanda do consumidor e a disponibilidade do produto no mercado.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Nesse sentido, essa teoria econômica defende que a oferta antecede a demanda, ou seja, é a oferta que cria a demanda. A partir disso, estabelece-se os preços dos produtos no mercado.

Também conhecida como Lei dos Mercados e Lei dos Mercados de Say, ela é uma das principais teorias na área econômica e serve como ponto de partida para diversos estudos sobre economia. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Criação da Lei de Say

A Lei de Say foi desenvolvida no mesmo contexto do Liberalismo Econômico, a partir do século XVIII e influenciada pela difusão das ideias iluministas. 

Ela foi elaborada pelo economista Jean-Baptiste Say, que era um grande disseminador das ideias de Adam Smith e do Liberalismo. Sua principal obra é o “Tratado de Economia Política”, de 1803. 

O autor foi o primeiro a considerar a oferta e a demanda como operadores essenciais da economia. A partir da Lei de Say, foi possível entender melhor os conceitos do próprio Adam Smith, como o de “mão invisível do mercado”, e a sua importância na economia. 

O enunciado criado por Say, no qual o autor afirma que a oferta cria a sua própria procura, foi um dos primeiros a definir que o valor de um produto é dado a partir de sua oferta, não só pelo trabalho envolvido na produção. 

Como funciona a Lei de Say

A Lei de Say, como já apresentado, estabelece uma relação entre a capacidade de oferta e a demanda do mercado, que juntas ditam o preço de determinados produtos. 

Isso ocorre tanto nas grandes trocas comerciais, nas relações entre empresas, quanto nas compras do dia a dia. 

Assim a Lei de Say parte do princípio de que para usufruir de um produto, as pessoas não precisam saber fabricá-lo. Basta ter dinheiro para comprar de alguém, ou de uma empresa, que já o venda pronto. 

Contudo, para realizar a compra, é necessário ter o dinheiro. Consequentemente, a pessoa precisa criar ou vender algo que tenha valor para outro indivíduo, de modo que se obtenha o capital necessário para realizar a compra. 

Em outras palavras, a teoria criada por Jean-Baptiste Say defende que há uma interdependência na sociedade, visto que só conseguimos consumir um produto quando também produzimos algo de valor com o nosso trabalho. 

Interpretações da Lei de Say

Por ser uma lei importante no âmbito da teoria econômica, a Lei de Say é muito debatida, seja por aqueles que concordam com aquilo que ela defende, seja por quem é contrário às suas ideias.

Dentre as diversas interpretações da Lei de Say feitas até hoje, duas são mais conhecidas e mais relevantes, sendo uma contra e outra a favor.

A primeira foi feita por John Maynard Keynes, fundador da teoria econômica conhecida como Keynesianismo.

De acordo com Keynes, a Lei de Say seria muito simplista ao afirmar que a oferta cria a sua própria demanda, visto que a regulação do mercado não acontece de modo automático.

Keynes afirma que a oferta não cria a demanda, visto que a oferta pode ser superior à demanda, levando à uma superprodução. Assim, os valores de produção e de vendas não se igualariam, já que o primeiro seria maior que o segundo.

A segunda interpretação, que refuta a primeira e vai de acordo com a Lei de Say, é a de Ludwig Von Mises. Enquanto um teórico liberal, ele, naturalmente, defende as ideias que estão de acordo com o Liberalismo Econômico.

De acordo com Von Mises, o aumento da produção significa uma maior capacidade de aumento do consumo, ou seja, da demanda.