O que é Keynesianismo

Keynesianismo é um conjunto de políticas econômicas propostas pelo economista britânico John Maynard Keynes na primeira metade do século XX. 

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

A ideia central da teoria de Keynes é a necessidade de uma intervenção do Estado na economia, ainda que dentro dos limites do livre mercado, de forma a garantir o Pleno Emprego e o Bem-estar Social.

No seu livro "A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda", de 1936, o economista defende a importância da implementação de programas de incentivo econômico por parte dos governos para assegurar a estabilidade empregatícia nos países.  

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Contexto de surgimento do Keynesianismo

No início do século XX, o liberalismo clássico era o modelo econômico dominante e defendia a mão invisível do mercado e a não intervenção do Estado na economia. Esta, de acordo com a teoria, deveria se recuperar sozinha em momentos de crise.

Keynes, por outro lado, não compreendia a razão das pessoas perderem seus empregos durante as crises. Com a Grande Depressão em 1929, ficou ainda mais evidente para o economista que o livre mercado não daria conta de solucionar a crise.

O Keynesianismo surge, então, como uma nova teoria econômica que propunha a volta da expansão da economia através de gastos por parte do Estado, a fim de aumentar a criação de empregos.

O New Deal, implementado nos Estados Unidos pelo então presidente Franklin Roosevelt após a Crise de 1929, é um bom exemplo da aplicação do modelo keynesiano.

Houve aumento de gastos públicos e o Estado passou a ter um papel ativo na economia, aumentando a criação de empregos. O resultado, naquele momento, foi muito positivo, surgindo então o famoso American Way Of Life

Diferença entre Keynesianismo e Liberalismo

Fundamentalmente, a diferença entre Liberalismo e Keynesianismo está, justamente, na função que o Estado deve ocupar.

A teoria Liberal, fundada principalmente por Adam Smith, defende que a presença do governo na economia é prejudicial ao seu pleno funcionamento e gera mais crises. O ideal é a não intervenção para que o mercado se recupere sozinho. 

O Keynesianismo, que ficou conhecido como a revisão da teoria liberal, argumenta que o liberalismo não fornece meios para a estabilidade da economia e dos empregos, em especial nos momentos de crise.

Dessa forma, a teoria de Keynes defende o investimento do Estado sempre que necessário, principalmente nas áreas que o setor privado é negligente, para garantir que não haja retração econômica. 

Características do Keynesianismo

As principais defesas do Keynesianismo são:

  • Intervenção estatal sempre que necessário;
  • Revisão do sistema liberal;
  • Redução de taxas de juros;
  • Garantia do Pleno Emprego e do Bem-Estar Social
  • Benefícios sociais para a população mais pobre e a garantia do sustento mínimo.

Como funciona o Keynesianismo

O Keynesianismo parte da ideia de que, dentro de uma economia, as decisões privadas e governamentais influenciam a demanda por produtos.  

Isso significa que, em um cenário de crise, a probabilidade é de que os trabalhadores evitem gastar, os investidores fiquem receosos de investir e o governo tenda a cortar gastos.

Com as possíveis demissões e o aumento do desemprego, os consumidores diminuem os gastos e, consequentemente, a economia desacelera ainda mais.

Por outro lado, se a economia vai bem, os trabalhadores tendem a gastar mais, os investidores se sentem mais à vontade para investir e o governo arrecada mais. Contudo, por conta da alta demanda de produtos, surge a inflação.

Dessa forma, Keynes propõe que, nos momentos de crise, o Estado interfira através de políticas públicas que compensem as falhas da economia e aumentem a geração de empregos.

Em contrapartida, durante a inflação, a solução proposta pelo modelo keynesiano é o aumento dos impostos para que a atividade econômica diminua.

Assim, o Keynesianismo investe em uma política anticíclica, que vai na contramão das propostas que lidam com a crise reduzindo salários e demitindo trabalhadores. Para Keynes, é melhor a intervenção do Estado a curto prazo do que esperar o mercado solucionar o problema.