O que é Juros Futuros

Juros Futuros é a taxa de juros que representa a estimativa do mercado para o valor dos juros futuramente. Como o próprio nome diz, a atuação deles ocorre em títulos que possuem vencimento a longo prazo. 

Eles têm a tendência de ser mais altos do que as taxas de juros atuais, como a Taxa Selic e o CDI, visto que a incerteza de quem investe em títulos futuros é muito maior. E, seguindo a lógica do mercado, quanto maior o risco, maior a recompensa. 

Por terem uma grande variedade de vencimentos – os títulos podem ter prazo de 1 mês, 1 ano, 10 anos, etc. – os Juros Futuros fornecem uma previsibilidade em relação a direção dos juros nos diferentes momentos da economia. 

Banner will be placed here

Qual a função dos Juros Futuros

O mercado financeiro é marcado por um ambiente altamente volátil e dinâmico, no qual as oscilações nas taxas de juros são capazes de prejudicar todos os que participam desse meio. 

Ao fixar qual será a taxa de juros nos diferentes prazos mais adiantes, os juros futuros servem como uma segurança para o mercado, além de conferir uma certa estabilidade e proteção aos investidores, imersos nesse ambiente tão inconstante. 

Dessa forma, uma das finalidades dos Juros Futuros pode ser o chamado Hedge, que é justamente uma ferramenta de proteção contra as oscilações características do mercado financeiro. 

Outra função dos Juros Futuros é estabelecer uma base para a economia e fornecer um parâmetro da direção da Taxa básica de juros (Selic). 

Eles indicam, também, quando há uma crise ou instabilidade política, visto que os juros futuros aumentam em decorrência da percepção de riscos. 

Fatores que influenciam os Juros Futuros

Existem vários fatores que influenciam os juros futuros. Alguns deles são:

  • Taxa e projeção de inflação
  • Política fiscal e monetária de um governo
  • Dívida pública
  • Atividade econômica do país
  • Expectativa e resultado do PIB
  • Câmbio e a balança comercial

Juros Futuros e a Taxa Selic

A Taxa básica de juros (Selic), definida pelo Comitê de Política Monetária - COPOM, é o indicador econômico mais importante do país e o seu valor possui grande impacto nos juros praticados na economia.

Além de ser um dos principais indicadores de investimentos de renda fixa, a Taxa Selic tem relação direta com o CDI – Certificado de Depósito Interbancário, sendo que ambas andam próximas para que o aumento de uma não torne a outra desvantajosa.

Ela, ao contrário dos Juros Futuros, é a taxa de juros do momento presente. Contudo, mesmo sendo diferentes, a comparação entre as duas taxas pode fornecer uma leitura do caminho percorrido pelos juros.

Dessa forma, quanto menos conturbado for o cenário político e econômico do país, mais as duas taxas poderão se assemelhar. Caso contrário, a probabilidade é de que a taxa de Juros Futuros seja muito discrepante em relação à Taxa Selic.

Um outro fator capaz de produzir esse hiato entre uma taxa e outra é a quantidade de tempo. As taxas de Juros Futuros que tiverem um prazo de vencimento mais próximos da então atual Taxa Selic, mais parecidas serão as porcentagens das duas. 

Juros Futuros e Tesouro Direto

Tesouro Direto é um Programa do Tesouro Nacional, desenvolvido pela Bolsa de Valores, que democratiza a compra e venda de títulos públicos federais ao disponibilizá-las para pessoas físicas através da internet. 

O programa é um recurso de captação de capital do Governo Federal, utilizado para reverter o dinheiro em investimentos para o país. O investidor, ao aplicar nesses títulos, dispõe de um investimento rentável e seguro, além de impulsionar a economia do país. 

O Tesouro Direto tem relação com os Juros Futuros, na medida em que leva em consideração as taxas de juros futuros quando negocia títulos com o prazo de vencimento no mesmo período dos contratos futuros.

Portanto, as oscilações dos Juros Futuros impactam diretamente a economia nacional, já que, se a taxa desses juros aumentar, o Tesouro Direto terá que pagar um valor maior para financiar a dívida do país.