A postura mais firme dos bancos centrais dos países ricos no combate à inflação, com altas nos juros que deixam a renda fixa mais atraente, tem abalado o mercado de criptomoedas.

Somente na última semana, o setor perdeu US$ 300 bilhões em valor de mercado no mundo.

Com a desvalorização, a quantia total desses ativos virtuais perdeu a marca de US$ 1 trilhão pela primeira vez desde janeiro de 2021 e ronda os US$ 900 bilhões, de acordo com dados da consultoria CoinMarketCap.

O bitcoin despencou do nível de US$ 30 mil por unidade, no qual estava estabilizado há cerca de um mês, para perto de US$ 19 mil.

A principal criptomoeda do planeta acumula desvalorização superior a 50% em 2022 e opera nos menores níveis desde o fim de 2020, com valor de mercado de US$ 400 bilhões - distante do pico de US$ 1,2 trilhão há um ano.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

"Os temores sobre a inflação e o fim abrupto da era do dinheiro barato levaram as criptomoedas a um precipício, à medida que os investidores se afastam de investimentos mais arriscados", diz a analista Susannah Streeter, da corretora britânica Hargreaves Lansdown.

O derretimento levou muitos especialistas a classificar o contexto atual como um "inverno das criptomoedas", o que pode afastar investidores.

Segundo o Banco Central, o Brasil importou US$ 6 bilhões em criptoativos no ano passado.

Em meio ao panorama desafiador, as empresas do setor se preparam para uma crise que pode ser duradoura.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

A Binance, maior corretora de criptomoedas, demitiu 18% da equipe e sugeriu que novos cortes podem ser necessários.

No Brasil, o grupo 2TM, dono do Mercado Bitcoin, demitiu 90 dos cerca de 750 funcionários.

A empresa apontou que o cenário global, com alta de juros e da inflação, levou ao enxugamento.

Fonte: Estadão Conteúdo.