O Itaú (ITUB4), informou na segunda-feira, 31, através de fato relevante, que os controladores da companhia, Itaúsa (ITSA4) e Itaú Unibanco Participações, obtiveram manifestação favorável do Federal Reserve Board (FED) em relação à reorganização societária com vistas à segregação da linha de negócio do Itaú Unibanco referente à participação no capital da XP.

A Companhia sediada nas Ilhas Cayman e listada na Nasdaq, é composta por 226.523.304 ações de emissão da XP, equivalentes, na data base de 30 de setembro de 2020, a 41,05% do capital desta, para a nova sociedade, denominada XPart, conforme aprovado em Assembleia Geral Extraordinária do Itaú Unibanco de 31 de janeiro de 2021.

Com a manifestação favorável do FED que tem eficácia a partir desta data, materializa-se hoje a segregação jurídica e contábil da companhia e da XPart, que terá seus atos constitutivos arquivados juntos aos órgãos de registro competentes após a homologação da operação pelo Banco Central do Brasil.

Os acionistas do Itaú Unibanco terão direito à participação acionária na XPart na mesma quantidade, espécie e proporção das ações por eles detidas na própria companhia.

As ações de emissão do Itaú Unibanco, bem como os American Depositary Receipts (ADRs), continuarão a ser negociados com direito ao recebimento dos valores mobiliários de emissão da XPart até a data de corte (data ex-direito) que, uma vez determinada, será prontamente informada ao mercado.

A companhia informou que a XP manifestou seu interesse em incorporar a XPart, e, em face disso, a XP e a Itaúsa divulgaram ao mercado que chegaram a entendimentos definitivos em relação à incorporação.

Melhores Oportunidades do Mercado Financeiro? Veja as 3 Ações com Maior Potencial de Valorização Hoje.

Caso ocorra a incorporação da XPart pela XP, que será deliberada pelas Assembleias Gerais dessas companhias em data ainda a ser definida, estimada pela XP e pela Itaúsa por volta da metade do segundo semestre de 2021, planeja-se que a data de corte acima mencionada ocorra após o fechamento do pregão do dia da realização das referidas Assembleias Gerais.

Conforme divulgado pela Itaúsa e pela XP, caso referida incorporação seja aprovada pelos acionistas da XP e da XPart, os acionistas do Itaú Unibanco, que até a data de corte terão o direito ao recebimento de valores mobiliários de emissão da XPart, receberão:

No caso dos acionistas controladores da companhia, Itaú Unibanco Participações e Itaúsa, e dos titulares de American Depositary Receipts (ADRs), ações Classe A de emissão da XP.

No caso dos demais acionistas, Brazilian Depositary Receipts (BDR) patrocinados Nível I, em substituição aos valores mobiliários que receberiam da XPart, que não se tornará uma empresa listada em bolsa.

Ressalte-se que, caso a XPart não seja incorporada ou não seja listada em bolsa no prazo de 120 dias a contar da data de homologação pelo Banco Central do Brasil acima mencionada, será concedido aos acionistas o direito de retirada da XPart.

Resultado da Itaú Unibanco no Primeiro Trimestre de 2021

O resultado do Itaú Unibanco (ITUB4) no primeiro trimestre de 2020 (1t21), divulgado no dia 03 de maio, registrou um lucro líquido recorrente de R$ 6,4 bilhões no 1T21, apresentando crescimento de 63,5% na comparação com o 1T20.

O retorno recorrente sobre o patrimônio líquido médio consolidado do Banco Itaú totalizou 18,5% no 1T21, apresentando crescimento de 5,7 pontos percentuais na comparação com o 1T20.

O Índice de Basiléia do Banco Itaú em dezembro de 2020, totalizou 14,5%, permanecendo estável na comparação com dezembro de 2020.

As ações do Itaú (ITUB4) acumulam alta de 0,82% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 29,43% nos últimos 12 meses.