O que é IPCA

IPCA é um índice utilizado para medir a inflação em um determinado período de tempo. Ele é organizado e medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O IPCA tem o objetivo de medir a variação dos preços no comércio para o público final,

Isso impacta diretamente na metodologia que é utilizada no cálculo desse índice. Dessa forma seu resultado é diferente de outros índices que também medem a inflação, já que cada um possui uma metodologia própria.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Índices de Inflação

No caso do Brasil, além do IPCA,  existem outros índices que podem ser utilizados na hora de mensurar a variação de preços. Entre os mais utilizados estão:

  • IGP-M   (Índice Geral de Preços do Mercado)
  • INPC (Índice Nacional de Preço ao Consumidor)
  • IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas)

Ou seja, cada um desses índices tem uma metodologia própria. Dessa forma, o resultado para mensurar a inflação pode ser diferente entre eles, mesmo que utilize o mesmo período para análise.

Muitos desses índices são utilizados no momento de reajuste salarial e também quando ocorre reajuste de aluguéis. Portanto, esses índices são fundamentais para a economia, uma vez que impactam diretamente em alguns setores.

Metodologia do IPCA

O período de coleta do IPCA vai do dia 1º ao dia 30 ou 31, dependendo do mês. A pesquisa é realizada em estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços, domicílios e também concessionárias de serviços públicos.

Os preços obtidos nessa pesquisa são aqueles cobrados do consumidor, para pagamento à vista. Com isso, o IBGE consegue medir a variação do preço de cada um desses produtos, em relação a períodos passados.

São considerados nove grupos de produtos e serviços, sendo eles:

  • Alimentação e bebidas
  • Artigos de residência
  • Comunicação
  • Despesas pessoais
  • Educação
  • Habitação
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Transportes
  • Vestuário. 

Além disso, esses produtos são divididos entre 465 subitens, para que o cálculo e também a análise da inflação seja a mais precisa possível. Dessa forma, o governo pode utilizar esses dados para traçar estratégias para controlar a inflação, caso ela esteja muito elevada.

Esse indicador reflete o custo de vida de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos, independente da fonte de renda. Ou seja, além de ter um grupo específico de produtos, o IPCA também atinge uma certa parte da população.

Essa consulta é feita em diversas cidades e regiões metropolitanas de todo o Brasil, como por exemplo, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Ao realizar a pesquisa por todo o país, o IPCA evita que o resultado final do seu índice seja impactado por qualquer choque ou problema local. Ou seja, impede que o resultado final seja tendencioso por conta de algum problema em uma região específica do Brasil.

IPCA e Investimentos

Além de impactar o bolso da população, o IPCA também impacta o mundo do mercado financeiro. Isso ocorre pois, independentemente da aplicação ou ativo, o investidor precisa garantir que sua rentabilidade seja pelo menos superior à inflação do período.

Caso ele não consiga superar a inflação, o investidor perdeu dinheiro nesse período, já que os bens de consumo tiveram um aumento no preço e os seus investimentos não acompanharam esse aumento.

No entanto, alguns ativos são afetados de forma mais direta. Entram aí as aplicações atreladas à Selic. Já que quanto maior é a inflação, maior tende a ser também a Selic, pois o governo aumenta os juros justamente para frear essa alta dos preços.

Com isso, investimentos como o Tesouro Selic, que tem a Selic como base de cálculo, são impactados. Nesse caso, uma inflação maior significa um rendimento melhor da aplicação, sendo uma opção para se proteger em períodos de alta inflação.

Caso ainda tenha alguma dúvida sobre o que é IPCA, consulte o artigo completo sobre IPCA