O que é Índice de Treynor

O Índice de Treynor é um indicador financeiro criado para analisar a relação entre a rentabilidade e a volatilidade de um investimento.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

O Índice de Treynor é bastante utilizado para a análise de fundos de investimentos, sendo uma importante ferramenta no processo decisório dos investimentos a serem realizados. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Objetivo do Índice de Treynor

O objetivo do Índice de Treynor é avaliar o nível de rentabilidade de um investimento em relação ao nível de risco que ele oferece.

No que diz respeito aos fundos de investimentos, para o qual é mais utilizado, o Índice de Treynor é um importante elemento para a comparação de fundos. 

Assim, por meio do Índice de Treynor, é possível que o investidor tenha mais segurança para escolher um ou outro fundo ao situá-los em uma métrica previamente estabelecida, tendo com isso uma análise mais criteriosa.

Como funciona o Índice de Treynor

Enquanto técnica de análise de fundos de investimentos, o Índice de Treynor é bastante similar ao Índice de Sharpe e ao Índice de Sortino.

São índices que possuem pequenas diferenças, entretanto a finalidade de todos é a mesma: determinar qual investimento possui a maior rentabilidade por meio do menor risco associado. 

A fórmula do Índice de Treynor é a seguinte:

TA = (RA - RF) / βA 

Em que:

TA = Índice de Treynor;

RA = Retorno do fundo analisado;

RF = Retorno livre de risco;

βA = Medida de risco sistêmico beta.

O retorno do fundo analisado é a taxa de rentabilidade do fundo em questão. Ou seja, um fundo com rentabilidade de 30% possui taxa de retorno de 30%, e assim por diante.

O retorno livre de risco é a rentabilidade do investimento mais seguro possível, com risco zero ou o mais próximo disso. Geralmente são títulos emitidos pelo governo e possuem uma muito baixa oscilação pelo mercado.

Já a medida de risco sistêmico beta é o risco do fundo em relação à carteira de mercado. Assim, considera-se a medida de beta igual à 1 para o risco do mercado. 

Investimentos com risco sistêmico beta abaixo de 1 possuem menor risco, enquanto acima de 1 possuem maior risco.

Exemplo de cálculo do Índice de Treynor

Em um exemplo, imagine que temos a possibilidade de investir em dois fundos de investimentos completamente distintos:

O fundo A é um fundo multimercado que investe em diferentes classes de ativos, como moedas, fundos de índices (ETFs) e ações. Já o fundo B investe apenas em títulos públicos.

O primeiro com uma rentabilidade de 25% ao ano e com uma medida de risco sistêmico beta de 1.40, enquanto o segundo fundo possui 15% de rentabilidade e 0.80 de risco sistêmico beta.

Para o cálculo é considerado retorno livre de risco as aplicações financeiras com risco zero ou o mais próximo possível disso, sendo as aplicações mais conservadoras.

No exemplo, vamos considerar 10% como a rentabilidade de retorno livre de risco.

Assim, na resolução do exemplo por meio do Índice de Sharpe, temos:

Fundo A: TA = (25% - 10%) / 1.40 = 10,70

Fundo B: TA = (15% - 10%) / 0.80 = 6,25

Assim, o fundo A é um melhor investimento, na medida em que possui melhor rentabilidade para cada unidade de risco em comparação com o fundo B.

Ou seja, o fundo A é mais rentável do que o fundo B, mesmo possuindo uma maior volatilidade.

Como apresentando, o Índice de Treynor é uma importante ferramenta para a análise de risco de investimentos.

Além disso, o Índice de Treynor pode ser associado com outras ferramentas e técnicas de análise para um estudo mais meticuloso e assertivo dos investimentos.

É fundamental considerar que a alocação de ativos deve ser revista constantemente, pois o mercado é dinâmico e é preciso sempre incorrer em estratégias para buscar a melhor performance da carteira de investimentos.