O que é Indexação

Indexação é um sistema de reajuste de preços (de produtos, serviços, aluguéis, salários etc) de acordo com determinados índices, que, em geral, são índices de inflação.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

A indexação permite a manutenção do poder de compra real da moeda, na medida em que os reajustes de preços são realizados na base do aumento percentual da inflação no país.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Objetivo da Indexação

Ao longo de algumas décadas, o Brasil foi afetado diretamente por um aumento bastante considerável dos preços. 

Entretanto, esse aumento produzia uma desvalorização do poder de compra da moeda, pois com a inflação a população continuava a receber praticamente o mesmo salário e via os preços de produtos e serviços aumentarem continuamente.

Assim, a finalidade da indexação é justamente criar uma base razoável do aumento de preços de produtos e serviços, utilizando uma medida oficial para os reajustes.

Com a indexação, há um maior controle da inflação no país.

Como funciona a Indexação

Talvez para melhor compreender como funciona a indexação no país, seja antes interessante uma breve explicação de como funciona e o que é a inflação.

Imagine que você ganhe um salário de 5 mil reais. Logo, seu planejamento financeiro pessoal é estruturado dentro da realidade desse salário, considerando os preços de uma série de produtos e serviços que você consome.

Para facilitar, vamos dividir as despesas mensais em 5 áreas diferentes e lhes atribuir um valor:

  • Moradia (aluguel): R$ 1.500
  • Alimentação: R$ 1.000
  • Transporte: R$ 300
  • Contas fixas (energia elétrica, água, internet, plano de celular etc): R$ 600
  • Lazer: R$ 600

O valor restante é destinado para a poupança. Portanto, a soma de todos os gastos mensais é de R$ 4.000, enquanto o valor colocado na poupança é de R$ 1.000.

Contudo, imagine que, de um ano para o outro, os preços sobem em torno de 15%. Logo, seu custo de vida mensal sobe de R$ 4.000 para R$ 4.600, mas o salário permanece o mesmo.

Assim sendo, o que houve na realidade foi uma diminuição do poder de compra da moeda, na medida em que os produtos e serviços permanecem os mesmos, porém agora com um valor mais alto.

Logo, proporcionalmente, hoje o custo de vida é mais caro do que no ano anterior, pois os mesmos valores já não são suficientes para cobrir os mesmos produtos e serviços do que antes.

Além disso, vamos supor que a poupança tenha 4% de rentabilidade ao ano. Considerando que foi acumulado um total de R$ 12.000 ao longo de um ano completo, então com os juros o valor total é de R$ 12.480.

Ou seja, os juros da poupança não são suficientes nem para cobrir a inflação, logo você perdeu dinheiro também na poupança. É por isso que muitos especialistas recomendam que sejam realizados outros investimentos, com maior rentabilidade.

A indexação vem justamente para estabelecer uma base adequada para cada tipo de reajuste.

Assim, os principais indexadores utilizados hoje no país são:

  • IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo): índice oficial da inflação no país, utilizado como referência para uma série de produtos e serviços. Além disso, muitos investimentos estão indexados ao IPCA para gerar maior rentabilidade acima da inflação;
  • IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado): utilizado para o reajuste de contratos de aluguel, contratos de planos de saúde, energia elétrica etc.
  • SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia): é a taxa básica de juros da economia. É utilizado também como indexador do Tesouro Selic;
  • CDI (Certificado de Depósito Interbancário): indexador de referência para uma série de investimentos de renda fixa, como LCIs, LCAs, CBDs, Debêntures etc.

Em suma, a indexação vem para criar um maior controle sobre os reajustes de preços no país, além disso é importante que os investidores conheçam os indexadores de cada investimento, pois assim podem fazer escolhas mais assertivas em busca de maior rentabilidade.