O que é Ilusão do Agrupamento

A Ilusão do Agrupamento é a tendência psicológica que os seres humanos possuem de encontrar padrões ou agrupamentos onde não existem.

Como Saber a Hora de Entrar e Sair dos Investimentos? GI Wealth faz Gestão para Investimentos Superior a R$ 300 mil.

A Ilusão do Agrupamento é um viés cognitivo, na medida em que é uma distorção da realidade e não corresponde aos fenômenos como são realmente.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona a Ilusão do Agrupamento

A Ilusão do Agrupamento funciona através da percepção que a pessoa tem de que determinados eventos, dados, objetos, indivíduos, situações, etc fazem parte de um mesmo fenômeno que os une, sendo que na verdade são aleatórios. 

Em outras palavras, a ilusão do agrupamento faz com que a pessoa acredite haver um elemento unificador que reúne determinados elementos como não-aleatórios, ou seja, como agrupados sob uma mesma explicação.

Entretanto, são elementos que estão dispostos aleatoriamente e não possuem uma mesma causa ou repetição de comportamento. 

Nesse sentido, um exemplo bastante interessante são os desenhos avistados nas estrelas. Elas estão dispostas de forma aleatória, portanto não estão ali para tomar a forma de um pássaro ou um navio. 

Contudo, a ilusão de agrupamento nos leva a crer que estão, realmente, formando desenhos de elementos que conhecemos.

Ilusão do Agrupamento e Indução

A Ilusão do Agrupamento muitas vezes é gerada e reforçada pela indução.

A indução é um processo de compreensão no qual verificamos um determinado fenômeno independente e estabelecemos uma conclusão geral sobre aquele mesmo fenômeno.

Exemplo: verificamos ao longo de muitos anos que os maratonistas quenianos são excelentes corredores e ganham muitas maratonas. 

Entretanto, isso não implica que todas as maratonas tenham como vencedor um corredor queniano.

A ilusão do agrupamento, pelo contrário, gera uma tendência psicológica que unifica o grupo dos ‘quenianos’ ao grupo dos ‘vencedores de maratonas’.

Isso faz com que ocorra uma generalização distorcida da realidade de que se houver algum queniano na maratona, então ele será o vencedor. 

Evidentemente, isso não é verdade. 

A ilusão do agrupamento não está baseada em premissas racionais, que podem garantir um determinado resultado, mas sim em uma suposição de que um determinado fenômeno sempre irá se repetir. Ou que coisas fazem parte de um mesmo grupo, etc.

Ilusão do Agrupamento e Mercado Financeiro

O mercado financeiro trabalha, fundamentalmente, com projeções, expectativas, oscilações, incertezas e também com o estudo de padrões que se repetem ao longo do tempo.

Especialmente os investidores que atuam com análise técnica, que se dá através do estudo de gráficos e numa velocidade muito acima do restante do mercado, correm um maior risco de serem enganados pela ilusão do agrupamento.

Isso deve-se ao fato de que os analistas técnicos estão o tempo todo recorrendo a gráficos e ferramentas gráficas para definir suas estratégias de investimento, sendo recorrente a presença de determinados padrões, chamados por eles de figuras gráficas da análise técnica.

Em síntese, o mercado tem momentos de altas e baixas, e as variações dos preços dos ativos negociados formam determinados movimentos no gráfico que se parecem com algumas figuras (bandeira, flâmula, retângulo, etc).

Porém, não é sempre que uma movimentação do valor do preço de um ativo irá formar realmente uma determinada figura.

Obviamente isso faz com que os analistas técnicos possam errar suas projeções e se prejudicar financeiramente.

É evidente que todos os tipos de investidor podem cair sob a ilusão de agrupamento.

Por exemplo, ao acreditar que determinados fatores políticos ou econômicos vão prejudicar ou beneficiar determinado setor ou empresa, o que pode não necessariamente ocorrer.

Por isso é importante saber estabelecer bons limites para nossas crenças e se colocar num processo contínuo de análise e acompanhamento para saber identificar maiores probabilidades de acerto ou invés de uma suposta “certeza absoluta”.