O que é Hard Landing

Hard Landing é um termo utilizado para caracterizar uma desaceleração econômica de um país.  É um pouso forçado causado por alguns fatores. 

O Hard Landing difere do soft landing, pois no primeiro caso há uma desaceleração brusca da economia e no segundo caso temos uma desaceleração mais lenta e gradual, o que causa diferentes impactos. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Medidas de Hard Landing

Na prática o Hard Landing é quando um país se encontra em crescimento econômico e por algum motivo começa a desacelerar de forma forçada. Para isso, os governos adotam algumas medidas como: 

  • Redução da taxa base da economia: objetivo de estimular o consumo econômico
  • Controle da inflação por meio de indicadores como o IPCA
  • Modificação da taxa de redesconto na tentativa de estimular o consumo e incentivo a crédito.
  • Contracionista com a finalidade de aumentar taxas básicas de juros para desestimular o consumo

Demais medidas podem ser adotadas pelo Banco Central para tentar controlar a economia em um momento de Hard Landing (Pouso Forçado). 

As medidas adotadas têm a finalidade de controle da queda da economia e a tentativa de amenizar os impactos negativos de uma queda brusca do crescimento econômico. 

Como funciona o Hard Landing

A economia é um setor no qual o conceito de ação e reação é muito dinâmico, por exemplo, um país em rápido crescimento econômico pode sofrer com um crescimento insustentável e assim que o limite de suporte é atingido começa a desacelerar. 

Nessa situação, o país pode ter um aumento de endividamento da população, o que salienta a necessidade de medidas de controle da economia aplicadas pelo Banco Central. 

Outros fatores podem influenciar o governo a adotar medidas que alteram as políticas monetária e fiscal. 

As políticas monetárias podem ser alteradas com o objetivo de aumentar ou reduzir a circulação da moeda local, além de também alterar a relação oferta e demanda de produtos e recursos financeiros.

Em um cenário que se almeja o crescimento econômico, o Banco Central pode modificar as políticas monetárias de maneira a influenciar nas taxas básicas de juros e nas taxas de redescontos, incentivando o crédito e o consumo. 

No caso de contração da economia, o Banco Central adota medidas para desestimular o crédito, aumentando, por exemplo, a taxa Selic e diminuindo a emissão monetária.

Nas políticas fiscais o Banco Central intervém nos orçamentos governamentais, adotando medidas de contenção ou expansão de gastos para estimular a economia. 

Essas são as principais tentativas que tanto o governo quanto o Banco Central podem atuar para amenizar os impactos negativos causados por uma desaceleração da economia. 

Um exemplo real, foi a crise de 1929 nos Estados Unidos, que sofreu com a desaceleração da economia, promovida por uma falsa expectativa do mercado de consumo, o que levou o governo americano à criação do New Deal. 

As medidas do New Deal levaram ao aumento de investimentos governamentais em grandes obras de infraestrutura para criação de postos de trabalho e assim aumentar o capital financeiro e estimular o consumo. 

Impactos do Hard Landing

Os principais impactos são gerados nas alterações das políticas monetária e fiscal. 

Em um cenário de expansão econômica, o governo reduz a taxa básica de juro com a finalidade de estimular o crédito e o consumo, porém pode ser uma estratégia de risco se não houver um controle orçamentário. 

Nessa situação, os gastos públicos são maiores que as receitas arrecadadas e com isso a maior consequência é o endividamento do poder público que acarretará o aumento dos juros básicos.  

Em outro cenário de desaceleração da economia, o principal impacto está no desemprego que leva à redução do consumo. 

Assim, entende-se que as medidas do Banco Central e do governo devem ser bem planejadas e monitoradas em ambos os cenários.