Guilherme Benchimol usou sua demissão como trampolim para construir uma das mais bem-sucedidas histórias de empreendedorismo do Brasil.

Após perder seu emprego, logo no início de sua carreira, ele pegou seu carro e dirigiu do Rio de Janeiro para Porto Alegre em busca de um novo começo.

Lá fundou uma pequena empresa de investimentos em uma sala de 25 metros quadrados.

Com seu perfil determinado e inovador, Benchimol tornou a XP Investimentos (XPBR31) uma das maiores empresas do mercado financeiro brasileiro.

A XP mudou a forma como os brasileiros investem e hoje, a empresa vale dezenas de bilhões de reais.

Como fundador e sócio majoritário da XP, Guilherme se tornou multibilionário.

Segundo a Forbes, Guilherme Benchimol tem uma fortuna estimada em US$ 2,6 bilhões e está na lista dos 10 brasileiros mais ricos da revista.

Conheça um pouco mais da vida e carreira do dono da XP.

Como os Milionários Investem? Conheça os 10 Passos para ser um Investidor de Sucesso.

Quem é Guilherme Benchimol 

Guilherme Benchimol é fundador, ex-CEO e Presidente Executivo do Conselho de Administração da XP Inc, uma empresa de investimentos que abriga corretoras de valores como XP Investimentos, Clear e Rico.

Vida e carreira

Guilherme Dias Fernandes Benchimol nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1976.

Filho e neto de médicos, quando jovem desejava seguir a mesma carreira, mas desistiu depois de perceber que não conseguiria lidar com o dia a dia da profissão.

O interesse pela economia surgiu após Guilherme conhecer a história de Luiz Cezar Fernandes, o fundador do Pactual, um dos mais bem-sucedidos bancos de investimento no Brasil.

Benchimol é formado em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Logo depois que entrou na faculdade foi em busca de seus primeiros empregos em corretoras.

A primeira oportunidade veio com 18 anos, como back office na corretora Sênior.

Depois assumiu uma vaga no Icatu, novamente no back office, mas dessa vez em um dos principais bancos do mercado financeiro carioca.

Na sequência, foi aprovado no programa de trainee do Bozano para uma startup do banco, a Investshop, focada em tirar os investidores dos grandes bancos.

Com a bolha pontocom, em 2000, a empresa foi atingida e Benchimol foi demitido.

Aos 24 anos, a perda do emprego foi encarada por ele como uma derrota pessoal, pois acreditava que bons profissionais não eram mandados embora.

Mas também deu início a uma grande mudança em sua vida.

Decidiu então sair do Rio de Janeiro e seguir para Porto Alegre para assumir uma vaga na corretora Diferencial.

Logo quando a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) regulamentou a profissão de agente autônomo de investimento, foi correndo para se certificar na primeira prova do tipo do país.

Não satisfeito com os resultados na corretora, Benchimol decidiu que era a hora de começar sua própria jornada como empreendedor.

Em 2001, ao lado de Marcel Maisonnave, seu sócio na época, Benchimol fundou a XP.

Inicialmente, a empresa era mais voltada para a área de educação financeira

Não demorou muito para que a companhia incorporasse outros negócios e virasse a principal corretora de valores do país.

Benchimol é casado com Ana Clara, ex-estagiária e ex-sócia da XP e pai de três filhas.

Fundação da XP

A XP foi criada em maio de 2001 com um capital inicial de cerca de R$ 15 mil, suficientes somente para alugar uma sala comercial de 25m² e comprar 10 computadores usados de uma lan house.

A intenção de Guilherme Benchimol e Marcel Maisonnave era funcionar como um escritório de agentes autônomos de investimentos, conectando investidores e corretores.

Logo, notaram que a maioria das pessoas não sabia como investir em renda variável. Foi aí que decidiram ajudar pessoas comuns e pequenos investidores a fazerem investimentos no mercado de ações.

Para captar novos clientes, realizaram cursos e palestras sobre o assunto. O modelo de negócio que funcionou.

Além da educação financeira e da assessoria de investimentos, começaram a oferecer uma ampla variedade de produtos. 

Com o crescimento das operações, passaram a adicionar novos sócios. Cada novo entrante pagava um valor, comprando participação dos sócios antigos. 

No ano de 2005, a XP criou o braço XP Gestão de Recursos. 

Pouco depois, veio um plano de virar uma corretora de ações, o qual virou realidade com a compra da pequena corretora Americainvest, em 2007.

No ano de 2008 veio a crise, mas também a diversificação. 

Foi nesse ano que a XP criou a área de seguros e investiu na área de grandes investidores institucionais.

No ano de 2011, mais um passo importante ao adquirir a Interfloat, a Senso Corretora e o portal de informações financeiras Infomoney.

Em uma viagem de negócios aos EUA, Benchimol conheceu corretora Charles Schwab que revolucionou o mercado americano ao reduzir as taxas a investidores e criar uma plataforma aberta com diversos produtos financeiros.

Inspirado pelo modelo da Schwab, Benchimol decidiu criar uma empresa de investimentos e tirar os clientes que estavam investindo em opções caras e pouco rentáveis nos grandes bancos.

Entre 2012 e 2016,  o Grupo XP fez adicionou mais três corretoras: a Prime em 2012; a Clear em 2014; e a Rico em 2016.

No final de 2017, as operações da XP atraíram o Itaú Unibanco (ITUB4) que adquiriu 49,9% do capital do Grupo XP, em uma transação de mais de R$ 6 bilhões.

Em dezembro de 2019, chegou a vez do aguardado IPO. A XP abriu seu capital na Nasdaq, bolsa de valores americana, para aproveitar dos valuations mais generosos no mercado de tecnologia americano e das regras mais flexíveis para governança.

Atualmente a XP Investimentos atende mais de 3 milhões de clientes e possui mais de R$ 820 bilhões de investimentos sob custódia.