O que é Gestão de Riscos?

A Gestão de Risco, nada mais é do que a gestão relacionada às incertezas referentes a um negócio ou investimento.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Quando é realizado algum investimento ou negócio, por mais informação e conhecimento que se tenha a respeito do ativo alvo, os riscos ainda existem, uma vez que eles são inerentes ao próprio ativo ou alvo em questão, mas também estão relacionados ao meio, exemplo: mercado.

Observando a existência de riscos relacionados de forma direta ou indiretamente ao ativo alvo, a gestão de risco se vê necessária para mitigar qualquer tipo de prejuízo ou eventual perda.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Gestão de Risco na Prática

Quando avaliado a Gestão de Riscos de uma empresa, alguns aspectos são analisados, dentre eles:

  • Riscos referentes à imagem da empresa;
  • Finanças da companhia, principalmente no que tange tomada de decisão, caixa e liquidez;
  • Investimentos, empresas que pensam em crescer e prosperar precisa investir e a alocação correta é fundamental;
  • Operação: sem uma boa operação a firma não terá resultados e consequentemente riscos maiores;
  • Orçamento: os recursos direcionados para todas as atividades da companhia devem ser previamente avaliados e destinados, faltando recursos os riscos podem crescer.

Todos os pontos citados são importantes na hora de fazer a gestão de riscos de uma companhia.

O simples fato de ter uma empresa, já é um risco relativamente alto, por isso, o cuidado com cada área de uma companhia é fundamental para mitigar todos os riscos inerentes ao negócio.

Ao mapear as áreas de risco de uma empresa, as iniciativas referentes à Gestão de Riscos devem servir para mitigar e reduzir qualquer risco.

Desse modo, a companhia poderá prosperar e extrair o máximo do seu potencial, transformando o trabalho em lucros.

Gestão de Riscos nos investimentos

Além da Gestão de Riscos voltada às empresas existem a gestão para investimentos. O mercado financeiro tem seus riscos e eles costumam variar bastante, dependendo do ativo.

As pessoas que se encaixam em um perfil de investimento mais conservador, geralmente trabalham com ativos de risco menor, ou mais moderado.

Nós temos dentre eles as letras do Tesouro Direto, CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio). 

Esses ativos estão cobertos por bastante segurança e liquidez, dois pontos importantes quando o assunto é risco.

Quando um ativo tem muita liquidez, ou é de fácil venda, o investimento acaba perdendo boa parte de seu risco, uma vez que a venda é de fácil execução e a liquidez é praticamente imediata.

Quando a liquidez é limitada ou difícil, aí o risco cresce porque o mercado pode acabar “virando” e o ativo pode acabar perdendo boa parte de sua liquidez dificultando a venda, e gerando eventuais perdas.

Outro ponto importante é as garantias. O Tesouro Direto é um dos investimentos mais seguros do país, uma vez que conta com a garantia do Tesouro Nacional, enquanto o CDB, LCI e LCA são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Por outro lado, aqueles que investem em ativos mais arriscados, como as ações, não contam com garantias e têm a segurança vinculada à estabilidade e progresso da empresa, além da liquidez da ação na bolsa de valores.

Benefícios da Gestão de Riscos

Tanto para empresas quanto para investimentos, a Gestão de Riscos é fundamental. Uma pessoa que não faz uma boa Gestão de Riscos sofrerá com perdas eventualmente.

Sendo que tais prejuízos podem ser grandes suficientes a ponto de quebrar um negócio ou sua carteira de investimentos.

Ao fazer uma boa Gestão de Riscos a pessoa vai trabalhar na redução e controle dos riscos sem perder os lucros.