O que é Gestão Ativa?

Gestão Ativa é um termo utilizado no mercado financeiro para denominar um fundo que possui um gestor com liberdade para construir a carteira como bem entender.

Como Saber a Hora de Entrar e Sair dos Investimentos? GI Wealth faz Gestão para Investimentos Superior a R$ 300 mil.

Dentro das regras do fundo de investimento, aquele fundo que possui Gestão Ativa, terá um gestor que vai tomar as iniciativas assim como compreender o que seja necessário.

O contrário da Gestão Ativa é a Gestão Passiva, onde o gestor terá uma participação menos ativa, mantendo uma carteira com menos alterações e mais “fixa”, por assim dizer.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Objetivo da Gestão Ativa

Ao oferecer um fundo com Gestão Ativa, o administrador do fundo tem por objetivo conseguir oferecer rentabilidade superior ao benchmark do mercado.

Ou seja, se o fundo tem como benchmark o Ibovespa, o mesmo terá como objetivo alcançar ou superar o seu benchmark, nesse caso o Ibovespa.

Vale destacar que na maioria das vezes, os fundos com Gestão Ativa, ao longo dos anos acabam com performances abaixo do Benchmark.

Assim, a Gestão Ativa é interessante, mas deve ser avaliada com bastante cuidado. Se por um lado nós temos os fundos com Gestão Ativa, do outro, nós temos os fundos de Gestão Passiva.

Os fundos de Gestão Passiva possuem carteiras indexadas a composição de algum índice ou benchmark.

Desse modo, esses fundos dificilmente conseguem gerar resultados acima de seus índices, uma vez que o objetivo do fundo é se manter nivelado. 

Por outro lado, o cotista provavelmente não verá um fundo com desempenho muito volátil, gerando mais estabilidade ao investimento.

Assim o investidor sempre vai conseguir acompanhar o fundo no mesmo nível do benchmark, ou índice.

Já os fundos com Gestão Ativa têm a pressão de oferecer desempenho superior à média do mercado e de seus respectivos benchmarks.

Para aqueles que buscam mais risco, os fundos com Gestão Ativa são os mais interessantes, já os fundos de Gestão Passiva, são mais interessantes para aqueles que possuem perfil mais conservador.

Benefícios da Gestão Ativa

Para aqueles que buscam rentabilidades maiores, os fundos com Gestão Ativa são os mais recomendados.

Não há como conseguir extrair ganhos acima da média aplicando seus recursos em fundos de Gestão Passiva.

Portanto, a opção são os fundos de Gestão Ativa. Fundos de investimento, como os multimercado, são boas opções.

No mercado nacional existem várias administradoras que possuem boa reputação e tem fundos em seus portfólios que vem conseguindo gerar performances acima da média, como é o caso do fundo Verde, da Verde Asset.

Ao investir em um bom fundo de Gestão Ativa, o investidor também não precisa ficar se preocupando com os ativos que vão compor o mesmo.

O investidor pode deixar tudo por conta do gestor e ir acompanhado periodicamente os relatórios mensais.

Desvantagens da Gestão Ativa

Da mesma forma que um fundo de Gestão Ativa pode render bons lucros, o mesmo pode acabar gerando prejuízos ao investidor.

Por se tratar de uma Gestão Ativa, o gestor vai tentar de todas as formas, conseguir extrair o máximo de performance do fundo.

Na tentativa, os prejuízos podem acontecer e assim, sem que haja uma garantia de rentabilidade futura, o investidor pode acabar reconhecendo o prejuízo.

Outra desvantagem da Gestão Ativa está com relação à acessibilidade. Os fundos mais conceituados do mercado, por vezes, já estão cheios e fechados para novos investidores.

E quando isso não é uma realidade, o valor inicial de investimento é alto e pode dificultar a entrada dos investidores menores.