O que é fusão de empresas e como funciona

Fusão de Empresas

O que é fusão de empresas. Significado, conceito, para que serve e como funciona.

O que é fusão de empresas?

Fusão é um acordo que une duas empresas existentes para a formação de uma nova empresa. 

Existem vários tipos de fusões e também vários motivos pelos quais as empresas realizam as fusões. 

Geralmente, no mercado se utiliza o conceito de fusão acompanhado de aquisição a partir da sigla F&A (Fusão e Aquisição). Em inglês se utiliza M&A (Mergers and Acquisitions).

Fusões e aquisições são comumente feitas para expandir os negócios de uma empresa. 

Neste caso, pode ser usado para expandir a empresa em direção a novos segmentos ou ganhar participação de mercado. 

No mercado financeiro e de capitais, fusões e aquisições normalmente são vistos com bons olhos, pois isso aumenta o valor para o acionista

Banner will be placed here

Como funciona uma fusão de empresas?

Uma fusão é a união voluntária de duas empresas em termos amplamente iguais em uma nova entidade legal. 

As empresas que concordam com a fusão são praticamente iguais em termos de tamanho, clientes e escala de operações. 

Já as aquisições, ao contrário das fusões, são geralmente não voluntárias e desiguais, pois envolvem a compra de empresas menores por companhias maiores. 

Na maioria das vezes, as fusões costumam beneficiar os acionistas das empresas

Após a fusão, as ações da nova empresa são distribuídas aos acionistas existentes de ambas as empresas originais.

Entretanto, há riscos de que alguma das partes seja menos beneficiada do que a outra, o que pode gerar certa oposição ao processo de fusão.

No geral, as empresas só irão se fundir se fizer sentido do ponto de vista do patrimônio do acionista, ou seja, se as empresas puderem criar sinergia, o que inclui aumento de valor, desempenho e redução de custos. 

Quais as razões para uma fusão de empresas?

As fusões são realizadas visando vários motivos:

  • ganhar participação de mercado;
  • reduzir custos de operações; 
  • expandir para novos territórios;
  • unir produtos comuns;
  • diminuir o nível de competição;
  • aumentar as receitas e os lucros;
  • criar barreiras à entrada de novos competidores;
  • expandir a capacidade produtiva 
  • gerar sinergia (quando a junção de duas empresas gera um resultado maior que a soma das partes);
  • aumentar participação de mercado (market share).

Tipos de fusão de empresas

Existem vários tipos de fusões, cuja modalidade escolhida será realizada conforme o objetivo das empresas envolvidas. 

Vejamos alguns dos tipos mais comuns de fusões.

Conglomerado

Esta é uma fusão entre duas ou mais empresas envolvidas em atividades comerciais não relacionadas. 

As empresas podem operar em diferentes setores ou em diferentes regiões geográficas. 

Um conglomerado puro envolve duas empresas que não têm nada em comum. 

Um conglomerado misto, por outro lado, ocorre entre organizações que operam em atividades distintas.

Congenérico

Também é conhecida como fusão de extensão de produto.

Uma fusão congenérica é quando duas ou mais empresas que atuam no mesmo mercado decidem se fundir.

Neste caso, as empresas fundidas apresentam fatores que se sobrepõem, como tecnologia, marketing, processos de produção e pesquisa e desenvolvimento (P&D). 

Esse tipo de fusão ocorre quando uma nova linha de produtos de uma empresa é adicionada a uma linha de produtos existente da outra empresa. 

A fusão de extensão de produto é importante pois permite às empresas obterem acesso a um grupo maior de consumidores e, assim, uma maior participação de mercado. 

Extensão de Mercado

Esse tipo de fusão ocorre entre empresas que vendem os mesmos produtos, mas competem em mercados diferentes. 

As empresas que se envolvem em uma fusão de extensão de mercado buscam obter acesso a um mercado maior e, portanto, uma base de clientes maior.

Horizontal

Uma fusão horizontal ocorre entre empresas que operam no mesmo setor, com objetivo de diminuir o nível de competição.

A fusão normalmente faz parte da consolidação entre dois ou mais concorrentes que oferecem os mesmos produtos ou serviços. 

Essas fusões são comuns em setores com menos empresas, e o objetivo é criar um negócio maior com maior participação de mercado e economias de escala.

Esse tipo de fusão é positivo para as empresas, pois permite que elas operem com margens maiores. Entretanto, é ruim para os consumidores, que terão menos poder de barganha.

Vertical

Esse tipo de fusão é comum entre empresas que produzem peças ou prestam serviços uma para a outra, cujo objetivo é internalizar todo o processo dentro de uma única empresa.

Uma fusão vertical ocorre quando duas empresas operando em níveis diferentes dentro da mesma cadeia de suprimentos do setor combinam suas operações. 

Tais fusões são feitas para aumentar as sinergias e gerar redução de custos, resultante da fusão com uma ou mais empresas fornecedoras. 

Fusões e concorrência

Às vezes as fusões podem ser ruins para os consumidores, pois diminuem o nível de competição das empresas no mercado.

Por isso existem instituições que regulam esse tipo de negócio, como o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), no Brasil.

Essas instituições atuam aprovando ou reprovando as fusões e aquisições.

Quando uma fusão coloca em risco a competição do mercado ela é negada, ou ajustada para que a empresa resultante da fusão não seja tão forte frente aos demais concorrentes.

Um exemplo interessante é o da fusão entre Sadia e Perdigão, em 2011. Na época, as empresas tiveram que vender algumas unidades para outras concorrentes.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE