O que é fundo espelho?

Fundo espelho é um fundo de investimento que tem como objetivo replicar o desempenho de um fundo já estabelecido no mercado. 

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Para isso, o fundo espelho irá investir nos mesmos ativos que o fundo subjacente, tendo, portanto, o mesmo nível de rentabilidade.

A principal diferença entre o fundo espelho e o original é que o preço unitário do primeiro será diferente do segundo. 

Essa diferença se deve ao fato do fundo espelho ser lançado numa data diferente do fundo subjacente, com um preço geralmente mais baixo.

Outra especificidade dos fundos espelhos é que esses são considerados fundos de “multigestor”. Isso porque esses fundos têm o objetivo de investir em um fundo gerido por uma instituição terceira.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona um fundo espelho?

Um fundo espelho é constituído para compor uma carteira que apresente os mesmos ativos que um outro fundo, funcionando exatamente como um espelho.

Na prática, um fundo espelho vai atuar de forma parecida com um fundo de cotas, que, por sua vez, são fundos que têm o objetivo de comprar cotas de outros fundos.

A diferença é que o fundo espelho irá replicar os resultados de um fundo específico, enquanto que os fundos de cotas incorporam mais de um fundo em sua carteira. 

Dessa forma, os fundos espelhos terão a mesma rentabilidade do fundo original (espelhado).

No que se refere aos fatores operacionais, um fundo espelho apresenta as mesmas características dos demais fundos.

O dinheiro aplicado dos investidores são somados em um conjunto único e administrado por um síndico (gestor do fundo), que decidirá quais ações serão compradas e quando serão vendidas.

Os fundos de investimentos seguem as normas de funcionamento da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que é o órgão que fiscaliza o mercado financeiro e de capitais do Brasil.

Cada fundo de investimento apresenta ainda uma regulamentação própria, com regras definidas quanto à sua forma de operação.

As regras do fundo devem constar os objetivos a serem perseguidos, os tipos de ativos que deverão compor a carteira, o nível de risco, e os custos cobrados para os participantes.

Os fundos espelhos também precisam apresentar uma estrutura administrativa profissional e transparente, contando com os seguintes serviços:

  1. Gestor: quem decide a estratégia e os ativos a serem comprados e vendidos;
  2. Custodiante: quem faz a guarda dos ativos do fundo (esse trabalho normalmente é feito por grandes bancos);
  3. Distribuidor: quem vende as cotas do fundo para os investidores no mercado. Geralmente são bancos e corretoras de valores;
  4. Auditor externo: quem verifica se as informações do fundo apresentadas aos contidas estão corretas;
  5. Administrador: quem é responsável pelo trabalho administrativo e burocrático para que o fundo funcione corretamente.

Como todo fundo, os fundos espelhos também cobram taxas de administração e de performance para dar acesso ao fundo original aos cotistas.

Para que serve o fundo espelho?

O investidor deve estar se perguntando: por que investir em um fundo espelho se posso investir diretamente no fundo original?

A verdade é que há várias respostas.

A primeira é que, em determinado momento, os fundos de investimentos podem atingir um patrimônio exorbitante, tornando mais complexo o gerenciamento dos recursos. 

Quando isso acontece, a gestão especializada pode aproveitar o momento para abrir um fundo espelho, aumentando, assim, a janela de resgate.

Dessa maneira, o fundo espelho serve como proteção para o fundo principal. 

Um problema dos fundos que apresentam estratégias complexas e bilhões de reais sob gestão é que eles não conseguem montar e desmontar uma posição de uma hora pra outra.

Isso pode gerar dificuldades de realocação no momento em que algum cotista do fundo fizer um aporte ou pedido de resgate.

Assim, ao criar um fundo espelho, o resgate se torna mais fácil, pois o fundo subjacente não precisará lidar diretamente com os valores aportados ou resgatados.

Outra justificativa é que, na medida em que os fundos vão crescendo, suas cotas vão subindo de preço, o que pode tornar inviável para investidores iniciantes no mercado financeiro.

Há também aqueles fundos qualificados que não permitem a entrada de qualquer investidor. Esses fundos costumam ter um aporte inicial elevado, com valores que podem chegar a R$500 mil.

Dessa forma, ao iniciar com valores menores para investimento, os fundos espelho abrem oportunidades para aqueles que querem investir mas a um preço menor.

Caso tenha ficado interessado em conhecer mais sobre os fundos de investimentos, saiba que temos um artigo completo sobre o assunto bem aqui.