O que é fundo de investimento no exterior?

Fundo de investimento no exterior é um tipo de fundo especializado em aplicar recursos em ativos internacionais.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

Por regra, um fundo de investimento no exterior deve apresentar, no mínimo, 40% da carteira sendo composta por ativos de outros países.

Os ativos desses fundos podem ser ações, títulos de renda fixa (públicos ou privados), derivativos, moedas, etc.

Os fundos de investimentos no exterior são uma boa opção para quem pretende iniciar seus investimentos, mas que não possuem experiência suficiente para analisar as melhores opções.

Também são boas escolhas para aqueles que possuem poucos recursos e gostariam de diversificar a sua carteira. 

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como funciona um fundo de investimento no exterior?

Os fundos de investimentos no exterior funcionam da mesma maneira que os demais tipos de fundos de investimentos.

Ou seja, é uma espécie de condomínio no qual os recursos aplicados pelos investidores são geridos em conjunto por um síndico (gestor do fundo).

Esse gestor decidirá qual a melhor forma de alocação desse dinheiro captado no mercado.

Como qualquer condomínio, os custos da constituição do fundo são repartidos entre os participantes, mas de maneira proporcional à quantidade de dinheiro aplicado no fundo.

Os fundos de investimentos seguem as normas de funcionamento da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que é o órgão que fiscaliza o mercado financeiro e de capitais do Brasil.

Cada fundo de investimento apresenta ainda uma regulamentação própria, com regras definidas quanto à sua forma de operação.

As regras do fundo devem constar os objetivos a serem perseguidos, os tipos de ativos que deverão compor a carteira, o nível de risco, e os custos cobrados para os participantes.

Os fundos de investimentos também precisam apresentar uma estrutura administrativa profissional e transparente, contando com os seguintes serviços:

  1. Gestor: quem decide a estratégia e os ativos a serem comprados e vendidos;
  2. Custodiante: quem faz a guarda dos ativos do fundo (esse trabalho normalmente é feito por grandes bancos);
  3. Distribuidor: quem vende as cotas do fundo para os investidores no mercado. Geralmente são bancos e corretoras de valores;
  4. Auditor externo: quem verifica se as informações do fundo apresentadas aos contidas estão corretas;
  5. Administrador: quem é responsável pelo trabalho administrativo e burocrático para que o fundo funcione corretamente.

Vantagens dos fundos de investimentos no exterior

Os fundos de investimentos no exterior podem ser uma boa opção para quem gostaria de aumentar a diversificação da sua carteira de investimentos.

Além de serem compostos por vários ativos, esse tipo de fundo permite que o investidor se exponha a outros mercados, ficando mais protegido contra variações cambiais.

Além disso, os fundos de investimentos no exterior são uma boa forma de simplificar uma atividade bastante burocrática que é o investimento em ativos do extrangeiro. 

Neste caso, o investidor não precisará abrir conta em corretoras estrangeiras e nem mandar dinheiro para fora do país. Isso tudo é feito pela própria administradora do fundo.

A outra vantagem de investir em fundos de investimentos no exterior é que o gerenciamento dos recursos é feito por um profissional qualificado e experiente.

Quais os riscos dos fundos de investimentos no exterior?

Antes de investir em fundos de investimentos no exterior, o investidor deverá se atentar para os riscos dessa modalidade.

Primeiro que, comprar ações e títulos de renda fixa possuem seus riscos, como risco do negócio das empresas e risco de crédito (calotes).

Além do risco inerente à natureza dos ativos em si, o fundo de investimento no exterior terá um risco adicional que é atrelado à oscilação cambial.

Neste caso, o risco é potencializado uma vez que esses ativos são comprados em moeda estrangeira, como dólar, euro, iene, etc.

Quando um fundo compra um ativo dos EUA, por exemplo, ele deverá trocar reais por dólares na hora de fazer a aplicação. 

O contrário deverá ocorrer quando o investidor quiser resgatar seus recursos do fundo. Neste caso, o gestor terá que vender os ativos, pegar os dólares e convertê-los para reais.

Neste caso há dois cenários possíveis:

  1. A moeda estrangeira se valorizar, o que gera ganhos para o investidor;
  2. A moeda estrangeira se desvalorizar, o que gera perdas para o investidor.

Sendo assim, a aplicação em fundos de investimento no exterior pode ser uma boa escolha para o investidor, mas desde que acompanhada de uma estratégia de diversificação da carteira.

Ou seja, jamais é indicado que se aplique todos os recursos nesse tipo de fundo de investimento.

E aí, ficou interessado em conhecer mais sobre os fundos de investimentos no exterior? Saiba que temos um artigo completo sobre o assunto bem aqui.