O milionário Steve Adcock se aposentou precocemente de seu emprego corporativo em 2016 aos 35 anos, depois de economizar cerca de US$ 900.000. Logo depois, com a ajuda de bons investimentos, ele e sua esposa elevaram seu patrimônio líquido para mais de US$ 1 milhão.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

Hoje em dia, Adcock se dedica a levar as pessoas à independência financeira e à aposentadoria precoce da maneira como ele chegou lá: tendo sucesso profissional, investindo com sabedoria e vivendo frugalmente.

Embora ele tenha um patrimônio líquido alto, Adcock ainda se considera frugal. Para ele, isso não significa necessariamente gastar o mínimo possível. Em vez disso, significa gastar com inteligência em coisas que você sabe que agregarão valor à sua vida.

“Essa é a diferença entre ser barato e frugal”, diz ele.

Em artigo para a CNBC Make It, ele revela as três coisas em que se recusa a gastar dinheiro:

1. Bilhetes de loteria e jogos de azar

Você não encontrará Adcock sonhando acordado com o prêmio da loteria simplesmente porque ele não estará concorrendo.

“Nunca joguei na loteria e me recuso a comprar um bilhete de loteria”, diz ele. “Você ouve a mesma coisa. ‘Você não pode ganhar se não jogar.’ Mas vamos ser sinceros - mesmo se você jogar, não vai ganhar.

As chances de acertar as seis dezenas vencedoras da Mega Sena são de aproximadamente uma a cada 50 milhões, segundo dados da própria Caixa Econômica Federal. 

Até existem jogos de azar onde suas chances são melhores, como apostar em esportes ou jogar no cassino, mas Adcock também não é fã disso. “Eu não jogo. Eu nunca jogo. Tem gente que provavelmente ganha dinheiro jogando, mas eu nunca apostaria um centavo”, diz.

Ao invés de gastar dinheiro em bilhetes de loteria e jogos de azar, ele prefere "apenas economizar e investir”, diz.

Carteira Recomendada? Faça um Diagnóstico Online e Receba uma Carteira Gratuita.

2. Garantias estendidas

Adcock também se recusa a comprar uma garantia estendida, uma oferta comum para eletrodomésticos e eletrônicos vendidos em grandes lojas. “Você provavelmente não vai usá-lo. É apenas um lucro adicional para a loja”, afirma.

Se você comprar a garantia e seu produto quebrar, não há garantia de que o reparo será totalmente coberto, acrescenta. “Você ainda pode acabar gastando mais com a garantia do que ganha com ela.”

Em vez de aderir a isso, Adcock conta com seu fundo de emergência para reparos inesperados.

“Você pode economizar um pouco de dinheiro todos os meses e, basicamente, estará construindo sua própria garantia estendida”, diz ele. 

Quando um item quebra, você economiza dinheiro para consertá-lo ou substituí-lo. Se durar para sempre, você tem dinheiro para colocar em outras despesas.

3. O produto mais barato (ou o mais caro)

Ao comprar qualquer coisa, Adcock geralmente evita a opção mais barata. Seu pensamento: “Talvez seja mais provável que um produto barato quebre antes que um caro quebre”.

No entanto, ele também não quer gastar demais com o produto de primeira linha. “Eu compro aquele que acho que vai funcionar melhor para mim e dura mais tempo. Pode não ter todos os recursos e capacidades do top de linha. Eu encontro um produto intermediário.”

Ele se diz particularmente atraído por produtos com garantias de qualidade, com boas avaliações.

“Você poderia comprar ferramentas de ponta. Mas se você comprar uma dessas marcas próprias, elas a substituirão se quebrar”, diz ele. “Acho que é de longe o melhor valor ao gastar dinheiro.”

Fonte: CNBC

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.