O que é Estagflação?

Estagflação é o termo que indica quando um país passa por um período de lento crescimento econômico. Ao mesmo tempo que, juntamente à inflação, ocorre um aumento crescente nos preços.

Quer Aumentar a Rentabilidade dos Investimentos? Receba um Aconselhamento Gratuito.

O período combina a ocorrência da inflação e da estagnação na economia. Logo, a nação passa por uma recessão atípica, marcada ainda pelo declínio no PIB (Produto Interno Bruto).

Considerada um fenômeno macroeconômico, mesmo com os preços subindo a demanda de mercado não se torna maior que a oferta. Pois, o cenário é marcado pela estagnação da produção econômica.

Isso porque a estagflação tende a ser o resultado do endividamento no período econômico anterior. Nele instituições financeiras facilitam a concessão de linhas de crédito focando no crescimento econômico. 

Em teoria, as empresas injetariam capital para seu desenvolvimento, gerando ainda, mais empregos. Mas, o efeito causado pela oferta de crédito acima do limite é o aumento da base monetária.

Com a desvalorização da moeda, o governo eleva a taxa de juros a fim de controlar a inflação. Pessoas físicas e jurídicas agora endividadas, tentam refinanciar suas dívidas na estagflação.

Só que as linhas de crédito se tornam escassas e as taxas de juros elevadas. Levando a falência ou redução das atividades empresariais e a ocorrência de outros dois fatores:

  • Queda na demanda por produtos e serviços por parte da população;
  • Aumento elevado na taxa de desemprego.

Portanto, a estagnação econômica também tem como causa as políticas cambiais ineficazes, políticas fiscais de gastos elevados e uma política monetária fortemente expansionista.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Como Funciona a Estagflação?

Na prática, a estagflação surge da tentativa que o governo tem de estimular o crescimento econômico do país através de uma oferta de crédito com:

  • Facilidade em sua obtenção;
  • Taxas de juros baixas.

Se por um lado isso pode trazer benefícios à população e as empresas, por outro lado existem os riscos. Caso bem sucedida, a estratégia leva ao aquecimento do mercado produtor.

O que move o desenvolvimento de diversos setores, gerando inclusive mais empregos. Mas, por outro lado, esse fornecimento excessivo de crédito pode impulsionar a inflação, normalmente já em alta.

Como forma de impedir que os riscos se tornem cada vez maiores, o estado novamente intervém. Por meio do aumento na taxa de juros para equilibrar o:

  • Aumento causado na base econômica;
  • Desvalorização da moeda.

O conceito de estagflação surgiu em 1960, durante uma recessão atípica no Reino Unido. Até então, economistas não acreditavam que tal fenômeno fosse possível. 

Isso porque os preços tendem a aumentar no mercado quando a demanda se torna maior que a oferta. Contudo, na estagnação econômica os preços continuam subindo mesmo com a redução da demanda.

Uma das causas por trás disso é a elevação no valor das matérias-primas. Consequentemente, fazendo com que o produto final torne-se mais caro às empresas e população agora endividadas.

Esse fenômeno foi responsável ainda pela criação do Índice de Miséria (Misery Index), pelo economista Arthur Okun. Responsável por somar as taxas de desemprego e da inflação no país.

Seu resultado indica como o cidadão médio está se saindo economicamente devido aos impactos da estagflação. Mas não deve ser confundido com Índice de Pobreza que analisa outro aspecto socioeconômico.

Como se Resolve o Problema da Estagflação?

O problema da estagflação está muito relacionada ao keynesianismo, uma teoria que defende a intervenção e controle governamental na economia. Mas, a oferta de crédito traz grandes riscos.

Como vimos, uma demanda agregada mal aplicada prejudica a economia indo contra sua intenção inicial. O dilema do Estado encontra-se no equilíbrio entre a aplicação de políticas monetárias e fiscais:

  • Contracionistas: redução de custos e retirada da moeda do mercado ao controlar a taxa de redescontos e a Selic (taxa básica de juros);
  • Expansionistas: aumento da moeda em circulação no mercado e dos gastos governamentais.

Além disso, o cunho da política monetária não precisa ser o mesmo da fiscal. Tudo depende do que é mais estratégico e assertivo para a economia do país naquele momento.

Em casos de estagflação, a resposta mais esperada do governo é a adoção de medidas contracionistas. Na qual os juros tendem a aumentar como forma de controlar a inflação.

Mas, a redução de gastos governamentais deve ser aplicada quando a origem do fenômeno for por déficit fiscal. Ambos os casos levam a períodos difíceis e de aumento no desemprego.

Além da adoção de uma política monetária restritiva, ações para elevar a produtividade econômica também entram em foco. Pois, a retomada do crescimento é fundamental para o país sair da recessão.

No entanto, uma coisa certa é que a solução para a estagnação econômica costuma demorar.

Pois, o fenômeno costuma se originar após anos de uma gestão ineficaz do Estado.