O que é Equilíbrio Geral?

A teoria do equilíbrio geral, desenvolvida na segunda metade do século XIX pelo economista Léon Walras, visa explicar o comportamento da oferta e demanda e dos preços em uma economia.

No caso, tenta-se provar que uma interação entre oferta e demanda resultará em um ponto de equilíbrio, conhecido como ponto de interseção, onde as duas curvas irão se cruzar.

Essa teoria vai de encontro com a teoria do equilíbrio parcial, criada pelo economista Alfred Marshall, que analisa os mercados de forma separada, considerando os pontos de equilíbrio entre oferta e demanda individualmente.

Ficou na Dúvida Sobre Investimentos? Baixe Grátis o Dicionário do Investidor.

Walras apresenta em sua teoria a economia composta por três diferentes setores, são eles: mercado de bens e serviços; mercado de trabalho, e mercado de capital.

Através de sua teoria, o economista tentou mostrar que, ao interagirem entre si, os mercados tendem ao equilíbrio no longo prazo.

Esse processo ocorre pelo mecanismo de preços que, segundo Walras, é responsável por regular a relação entre oferta e demanda em dados de mercados.

Portanto, dado um determinado nível salarial e taxa de juros, existiria certa quantidade de bens e serviços que acarretaria no equilíbrio para a economia.

O modelo é representado por duas curvas, uma de oferta, que é positivamente inclinada, e uma de demanda, que é negativamente inclinada.

O ponto de intersecção das duas curvas, ou seja, o ponto de encontro entre elas representa o equilíbrio entre preço e quantidade da economia. A tendência é que a economia tende ao equilíbrio no longo prazo.

Na sequência veremos as premissas e limitações da teoria, bem como as críticas que surgem referentes seus desdobramentos e, por fim, como se dá o uso da teoria do equilíbrio geral.

Premissas e Limitações da Teoria

Walras quando criou a teoria do equilíbrio geral, partiu de interações bastante simples, onde havia apenas dois produtos em dado mercado.

De tal maneira, o equilíbrio geral foi desenvolvido através dos seguintes pressupostos, são eles:

  • O consumo dos agentes maximiza sua utilidade;
  • O consumo não é contínuo e influencia o preço;
  • Todos são atendidos, sem que ocorra excesso de produtos e serviços, ou demanda.

Já com relação às limitações, é importante dizer que, como acontece em outros modelos, à teoria do equilíbrio geral simplifica a realidade, por meio das características destacadas abaixo:

  • Mercado previsível, não levando em conta as incertezas referentes ao comportamento dos agentes:
  • Todos os indivíduos têm acesso às informações disponíveis;
  • A inovação é desconsiderada, ou seja, o impacto de novas tecnologias é descartado;

Sobre o modelo, há muitas críticas de vários economistas no sentido de que este não é viável em determinadas condições.

Como essa teoria é usada?

Essa teoria é usada para o desenvolvimento de políticas públicas, como no caso da simulação de impactos devido a choques externos em determinada economia.

Além disso, a teoria do equilíbrio geral também pode ser usada para a inserção de novos impostos na economia, bem como na simulação referente a negociações de acordos comerciais.

Essa teoria pode fornecer modelos estáticos ou dinâmicos.

No primeiro caso existe uma comparação entre duas situações distintas, já no segundo caso, ocorre uma análise da evolução do mercado em encontro a um novo ponto de equilíbrio.

Devemos ressaltar que a teoria se aplica aos casos em que se enquadra em suas pré condições, ou serve como base para análise de outros modelos.

O equilíbrio econômico é tema de um intenso debate na literatura econômica, sempre gerando muita polêmica ao seu entorno, porém, merece destaque por sua importância dentro do campo econômico/político.

É importante dizer, portanto, que mesmo havendo grande divergência entre os teóricos referente à veracidade dessa teoria, seu entendimento é de extrema relevância para a economia e aplicações políticas.