Energisa (ENGI11) Veem Forte Queda no Consumo de Energia em Maio
| ,

Energisa (ENGI11) Vê Forte Queda no Consumo de Energia em Maio

Considerado o fornecimento não faturado, no entanto, o volume registrado no mês representaria queda de 10%.

Por
Atualizado em 27/06/2020

Distribuidoras de eletricidade controladas pelo grupo Energisa (ENGI11) registraram queda de 5,7% no consumo consolidado em maio na comparação com mesmo mês do ano anterior, informou a empresa em comunicado nesta sexta-feira.

Se considerando o fornecimento não faturado, no entanto, o volume registrado no mês representaria queda de 10% na mesma base de comparação, acrescentou a elétrica, que controla onze concessionárias de distribuição pelo Brasil.

Como ser Sócio dos Melhores Negócios? Baixe Grátis o Relatório “As Melhores Empresas para Investir”.

No bimestre abril-maio, período em que os efeitos da pandemia de coronavírus ganharam força e quarentenas buscavam reduzir a propagação do vírus, o resultado foi uma variação negativa de 4,8% no consumo consolidado ante mesmo período de 2019, segundo a companhia.

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2020, a queda total no consumo de eletricidade nas concessões da Energisa, considerados mercados cativo e livre, foi de 0,4% na comparação com mesmo período do ano anterior.

Resultado da Energisa no Primeiro Trimestre de 2020

O resultado da Energisa (ENGI11) no primeiro trimestre de 2020 (1t20), divulgado no dia 14 de maio, apresentou um lucro líquido de R$ 581,7 milhões, alta de 351,7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda da Energisa atingiu R$ 929 milhões no 1t20, apresentando crescimento de 12,4% na comparação com o 4t19.

A margem ebitda foi de 19,4%, um crescimento de 1,4 p.p. quando comparado ao 4t19.

Já a margem líquida da Copel atingiu 12,5% no 1t20, apresentando retração de 1,5 p.p. na comparação com o 4t19.

As ações da Energisa (ENGI11) acumulam queda de 2,54% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 6,59% nos últimos 12 meses.

Notícias do Mercado Financeiro

Fonte: Reuters.

O Que Ler Agora...

Mostrar Mais

PUBLICIDADE