O consumo consolidado de energia elétrica, cativo e livre (3.132,0 GWh), nas áreas de concessão do Grupo Energisa (ENGI11), apresentou aumento de 1,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

No mês, a continuidade da reabertura da economia, com influência positiva na classe comercial e poder público, direcionou o resultado.

Contudo, menor calendário de faturamento e clima mais ameno em algumas regiões limitaram o crescimento.

No mês, 5 das 11 distribuidoras apresentaram alta no consumo de energia em suas áreas de concessão, em especial a EMT (+8,6% ou 64,5 GWh), sendo responsável por 82% da alta no mês de abril.

A classe comercial (+8,6% ou 47,7 GWh) obteve o maior crescimento de consumo no mês, com a EMT (+19,2% ou 25,3 GWh), EPB (+8,8% ou 5,6 GWh) e ESS (+6,1% ou 4,1 GWh) registrando as maiores altas.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

O resultado na classe comercial foi puxado pela melhora no quadro sanitário e retomada mais intensa de atividades presenciais.

A classe outros registrou alta de 9,8% (36,5 GWh), com os maiores crescimentos na EMT (+24,8% ou 18,4 GWh); EMS (+7,2% ou 4,1 GWh); e EPB (+5,7% ou 3,3 GWh).

O principal fator que direcionou o resultado foi o consumo do poder público com crescimento de 27,5%, maior taxa desde 2002.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

A classe industrial apresentou crescimento de +3,7% (22,8 GWh), sendo as concessões que apresentaram melhor desempenho: EMT (+7,3% ou 12,4 GWh), destaque para alimentos e minerais não metálicos; ESS (+4,8% ou 5,1 GWh), destaque para alimentícios; e EPB (+6,1 ou 3,5 GWh), destaque para plásticos e têxtil.

A classe rural apresentou queda no consumo, registrando -6,7% (19,1 GWh), principalmente devido ao recadastramento de clientes para classe residencial (REN 901) e clima mais chuvoso, as concessões que mais contribuíram com esse resultado foram a EMS (-10,8% ou 6,1 GWh); EPB (-19,8% ou 5,3 GWh) e ETO (-22,0 ou 5,2%).

Por fim, a classe residencial, registrou queda de 4,0% (50,0 GWh), puxada pelas concessões ESS (-10,9% ou 15,5 GWh), EMS (-8,6% ou 16,9 GWh) e ESE (-5,0% ou 5,5 GWh), impactadas por clima mais ameno, efeito calendário negativo e base alta de comparação.

Melhores Negócios para Investir Hoje? Veja as 3 Empresas com Maior Potencial de Valorização na Bolsa.

Resultado da Energisa no Primeiro Trimestre de 2021

resultado da Energisa (ENGI11) no primeiro trimestre de 2022 (1t22), divulgado no dia 12 de maio, apresentou um lucro líquido de R$ 506,2 milhões no 1T22, uma baixa de -42% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

O Ebitda da Energisa atingiu R$ 1,8 bilhão no 1T22, apresentando crescimento de 35,8% na comparação com o 1T21.

A margem Ebitda da Energisa totalizou 32,1% no 1T22, apresentando crescimento de 5,5 pontos percentuais na comparação com o 1T21. 

A margem líquida da Energisa atingiu 8,9% no 1T22, apresentando retração de -7,1 pontos percentuais na comparação com o 1T21.

As ações da Energisa (ENGI11) acumulam alta de 2,30% na bolsa de valores nos últimos 7 dias e alta de 3,36% nos últimos 12 meses.